Sporting: Juventus dá a volta e vence por 2-1

Autogolo de antigo lateral portista Alex Sandro adiantou o Sporting. Juventus respondeu através de um livre direto superiormente marcado por Pjanic. Mandzukic deu a volta ao resultado com golo de cabeça

O Sporting foi esta quarta-feira derrotado pela Juventus em Turim, por 1-2, em partida da 3.ª jornada do Grupo B das Liga dos Campeões, e permitiu que os italianos assumissem isoladamente o 2.º lugar da série, liderada pelo Barcelona.

Os leões até começaram muito bem o encontro, beneficiando de um autogolo de Alex Sandro aos 12 minutos para ganhar vantagem, mas permitiriam a reviravolta da hexacampeã transalpina. Primeiro, Pjanic igualou o encontro ainda na primeira parte (29'), através de um livre direto. Depois, já no final do encontro (84'), Mandzukic assinou o tento da reviravolta.

A formação verde e branca termina assim a jornada em 3.º lugar, com três pontos. O Barça, que venceu em casa o Olympiakos por 3-1, segue na liderança, com nove. A 2.ª posição é da Juventus, com seis, enquanto os gregos completam o grupo, ainda sem qualquer ponto somado.

90+3': Rui Patrício nega o 3-1 a Higuaín.

90+2': No seguimento de um cruzamento de trivela de Bruno Fernandes, Doumbia não consegue desviar para a baliza de Buffon.

87': Jorge Jesus esgota as substituições: Doumbia rende Battaglia.

84': GOLO DA JUVENTUS (2-1). Na sequência de um grande cruzamento de Douglas Costa, acabadinho de entrar, Mandzukic antecipou-se a Jonathan Silva e cabeceou para o fundo das redes.

84': Allegri esgota as substituições: sai Sturaro, entra Douglas Costa.

83': Amarelo para Chiellini.

81': 50 por cento de posse de bola para cada lado.

77': Fábio Coentrão vai mesmo ser substituído. Entra Jonathan Silva.

77': Fábio Coentrão a ser assistido, após embater com placard publicitário.

76': Substituição no Sporting: Sai Gelson Martins, entra João Palhinha.

71': Segunda parte equilibrada em Turim, ainda que com ligeiro ascendente da Juventus.

70': Cabeceamento de Mandzukic para defesa de Rui Patrício.

68': Amarelo para Sturaro, por falta sobre Gelson Martins.

63': Corte providencial de Piccini, a antecipar-se a Mandzukic, que se preparava para cabecear.

61': Segunda substituição na Juventus: sai Khedira, entra Matuidi.

58': Sporting reclamou grande penalidade, em lance em que a bola bate na mão de Chiellini.

56': Livre assinalado a favor do Sporting, não muito longe da área da Juventus.

49': Cruzamento de Pjanic direito às mãos de Rui Patrício.

48': Remate de Bas Dost, na resposta a cruzamento de Acuña, vai para fora.

45': Começa a segunda parte.

Ao intervalo, Allegri mexe na equipa devido a lesão de Benatia, que acabou substituído por Barzagli.

Intervalo em Turim, com resultado empatado a um golo.

43': Rui Patrício, a meias com o poste, nega o 2-1 à Juventus.

42': Na sequência de um livre bem trabalhado pelo Sporting, Acuña cruza pela esquerda para o interior da área, onde aparece Coates a cabecear por cima.

41': Cuadrado falha o cabeceamento ao segundo poste, após desvio de cabeça por parte de Khedira ao primeiro.

37': Remate de Dybala sai fraco e à figura de Rui Patrício.

36': Juventus tem mais remates (6-1) e mais remates à baliza (3-1) do que o Sporting.

36': Bruno Fernandes vê amarelo por falta sobre Mandzukic.

33': No outro jogo do grupo, o Barcelona vai vencendo o Olympiakos em Camp Nou por 1-0, beneficiando de um autogolo de Nikolau.

30': Piccini desvia para canto bola rematada por Mandzukic.

29': GOLO DA JUVENTUS (1-1). Marca Pjanic, de livre direto, numa execução irrepreensível.

27': Livre perigoso assinalado a favor da Juventus, à entrada da área do Sporting, a castigar falta de Battaglia sobre Pjanic.

25': Cartão amarelo para Coates, por falta sobre Higuaín a meio-campo.

23': Dybala remata com perigo, mas ao lado.

22': Corte providencial de Mathieu, a Mandzukic, evita o golo do empate.

17': Grande defesa de Rui Patrício a impedir o golo de Khedira.

12': GOLO DO SPORTING (0-1). Gelson Martins aparece isolado perante Buffon, que nega o golo ao português, mas acaba por desviar a bola contra o antigo lateral esquerdo portista Alex Sandro, que involuntariamente a introduziu na própria baliza.

10': Dez primeiros minutos equilibrados em Turim.

6': Livre para a Juventus causa algum perigo. Battaglia desvia de cabeça para canto.

2': Juventus é a dona da bola durante os instantes iniciais.

0': Começa o jogo em Turim.

Minuto de silêncio no Estádio das Juventus, com luzes apagadas e bandeira portuguesa exibida, em memória das vítimas dos incêndios em Portugal.

Eis os onzes oficiais:

Juventus: Buffon; Sturaro, Benatia, Chiellini e Alex Sandro; Pjanic e Khedira; Cuadrado, Dybala e Mandzukic; Higuaín.

Suplentes - Szczesny, Douglas Costa, Matuidi, Barzagli, Asamoah, Bentancur e Bernardeschi.

Sporting: Rui Patrício; Piccini, Coates, Mathieu e Fábio Coentrão; William Carvalho e Battaglia; Gelson Martins, Bruno Fernandes e Acuña; Bas Dost.

Suplentes - Salin; Jonathan Silva, André Pinto, Bruno César, Podence, João Palhinha e Doumbia.

Em treze jogos oficiais em solo italiano, o Sporting somou três empates e dez derrotas (6-22 em golos). Pela primeira vez, vai medir forças com a Juventus.

De Sciglio, Marchisio e Pjaca, lesionados, desfalcam a Juventus. Tobias Figueiredo e Alan Ruiz, pelos mesmos motivos, são as ausências no Sporting.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.