"Pinto da Costa fala porque tem que olhar para cima"

O presidente leonino diz que "os clubes do norte" estão habituados a beneficiar "de maus árbitros" e, ainda a propósito das declarações de Pinto da Costa, que há "excelentes atores" que mereciam "um Oscar".

As recentes críticas de Pinto da Costa à arbitragem nacional, a ponto de ter defendido que Artur Soares Dias deveria retirar-se da atividade pela arbitragem no Benfica-FC Porto (2-0), motivaram uma resposta de Bruno de Carvalho, que considera que o líder dos dragões só se queixa porque está atrás dos dois rivais lisboetas na tabela classificativa.

"Têm de lhe perguntar a ele. Mas, muito provavelmente, fala pois tem de olhar para cima", ironizou, referindo-se à tabela classificativa. "Portugal tem, de certeza, bons árbitros. Mas tem alguns que não merece, de facto, pois não fazem boas arbitragens. Mas esse tipo de coisas não nos preocupa. Preocupa-nos muito mais o nosso trabalho diário, do que com "fait-divers" para escamotear uma realidade que passa por clubes do norte beneficiarem com dias maus dos árbitros", acrescentou, à margem das Jornadas da Medicina.

O presidente do Sporting foi mais longe nas críticas. "É bom haver momentos de boa disposição de vez em quando. Não me quero enganar mas há poucos dias saíram os nomeados para os Oscars e, de facto, há pessoas que deviam ser consideradas excelentes atores. Pessoas que têm feito do seu passado um aproveitamento daquilo que são as debilidades do sistema desportivo e que têm beneficiado de várias situações de falta de transparência. É digno de Oscar e ao estilo de Hollywood", atirou.

Bruno de Carvalho congratulou-se, ainda, por vários atletas do clube estarem, pela primeira vez em muitos anos, a serem alvo de interesse de colossos europeus. "Estou cheio de orgulho pela Europa voltar a olhar para o Sporting, algo que não acontecia há muito tempo. Não olha só para os nossos jogadores. Olha, também para os órgãos sociais, mas nós não temos cláusulas de rescisão. Não temos interesse nenhum nas propostas que possam ser feitas", frisou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG