Nuno Saraiva esclarece "período revolucionário em curso" na arbitragem

Diretor de comunicação do Sporting garante que nem o clube nem o seu presidente pediram a desconvocação da greve dos árbitros

Aqui fica o texto de Nuno Saraiva na íntegra:

"Agora que já vivemos o Natal, tempo de reflexão e de Família, é chegado o momento de esclarecer notícias sobre o que se passou no "período revolucionário em curso" da arbitragem do passado mês de outubro e falar de uma suposta investigação a alegadas ameaças feitas pelo Presidente do Sporting CP.

Sobre o pré-aviso de greve dos árbitros, o Presidente do Sporting Clube de Portugal teve apenas dois interlocutores, Pedro Proença e José Fontelas Gomes, e, em ambos os casos, por iniciativa dos próprios em reuniões promovidas por eles. E, aos dois, foi dito exactamente o mesmo:

Até hoje, o Presidente do Sporting CP foi o único dirigente a defender intransigentemente os árbitros, não só enquanto profissionais mas também enquanto seres humanos que têm famílias. Mais, por princípio, somos a favor de as classes se defenderem do que entendem e como entendem, desde que sejam absolutamente claros e factuais nos termos e nas motivações das suas formas de luta. Isto é, toda a gente percebeu que na base da contestação dos agentes da arbitragem estiveram um conjunto de afirmações e documentos aos quais o Sporting CP é completamente alheio. E por isso, se os árbitros entendem ou entendiam que a greve é o caminho, façam o favor de a convocar desde que chamem os bois pelos nomes e não pondo todos no mesmo saco.

Uma coisa é certa: Nunca o Presidente do Sporting CP falou sobre este assunto específico com Luciano nenhum, nem pediu a quem quer que fosse que falasse com Luciano algum sobre desconvocações de greves ou temas relacionados.

Exclusivos