Leão vestiu-se de gala mas sofreu para passar à final four

Jorge Jesus apostou na equipa base (à exceção de Gelson), mas o Belenenses dificultou ao máximo a tarefa dos leões no Restelo, lutando pelo apuramento até ao último minuto

O Sporting garantiu ontem o apuramento para a final four da Taça da Liga, ao empatar a um golo no Restelo diante do Belenenses. Os leões até se vestiram de gala (dos titulares apenas Gelson Martins ficou no banco), mas a equipa de Domingos Paciência dificultou ao máximo a tarefa a Jorge Jesus - teve mesmo as melhores oportunidades no segundo tempo.

Jesus apostou praticamente no seu onze habitual, dando descanso a Gelson e colocando Podence no seu lugar. A cinco dias do dérbi na Luz, o técnico dava um claro sinal de que o apuramento para a final four da Taça da Liga era um objetivo claro. Do outro lado, os azuis não se assustaram com o onze de gala do adversário, onde até Patrício estava na baliza, pois também lutavam pelo apuramento.

O Sporting começou por tomar conta das operações, povoando o meio-campo contrário. Mas o Belenenses soube fechar-se bem, revelando uma atitude muito competitiva, algo que fez que nos primeiros 45 minutos se assistisse a um jogo intenso. Muita velocidade, alguns bons lances, mas faltou maior acerto no ataque de ambos os lados. Os leões tiveram mais oportunidades na primeira parte; nos azuis só um remate de Fredy assustou Rui Patrício, que ontem igualou os 436 jogos de Vítor Damas. E o intervalo chegou com o marcador a zeros.

Para o segundo tempo, a maior expectativa era perceber se o Belenenses iria entrar com o mesmo espírito e ritmo, depois da intensidade que colocou na primeira metade. Conhecedores de que uma vitória poderia servir para apurar a equipa para as meias-finais da prova, a equipa de Domingos começou melhor e nos primeiros dez minutos da segunda parte Maurides teve duas grandes ocasiões para marcar.

O Sporting apresentava-se algo lento, jogava mais na expectativa, até porque o empate bastava para o apuramento. Mas Jorge Jesus sentia que tinha de fazer algo para dar uma nova alma à equipa, de forma a que o jogo não se transformasse numa roleta-russa, com um golo do Belenenses a colocar em risco o apuramento. E por isso lançou Gelson Martins aos 56".

O jovem extremo deu vivacidade à equipa, libertando mais Bruno Fernandes no meio, mas as bolas raramente chegavam em condições ao matador Bas Dost. O Sporting estava melhor, mas continuava a faltar eficácia no ataque. As grandes oportunidades surgiram, essencialmente, em remates à entrada da área. E os sustos na defesa continuavam.

Mesmo com Gelson, o Belenenses não tirou o pé do acelerador. A equipa do Restelo foi obrigada a abrir mais espaços atrás, mas jogou sempre com os setores muito próximos, o que garantia mais apoio na frente a Maurides, onde era muito bem municiado por Fredy. Valeu aos leões um inspirado Mathieu, que tapava todos os buracos da defesa verde e branca.

Num desses lances em que o Belenenses saiu para o ataque, uma bola perdida no meio-campo permitiu um ataque veloz do Sporting. E, numa jogada individual, Acuña inaugurou o marcador numa bomba fora da área. Os azuis empataram logo a seguir num autogolo de Coates. Continuava vivo o jogo no Restelo. Maurides teve o golo nos pés aos 81", mas o Sporting fechava-se bem nestes instantes finais a defender o empate, com Battaglia e William a serem preciosos no meio-campo defensivo.

O jogo ficou ainda marcado por um desentendimento entre Fábio Coentrão e Acuña, com William a ter de separar os dois colegas.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.