William era imprescindível, Gelson e Bruno Fernandes os reis das assistências

O Sporting perde quatro jogadores que eram a base da equipa da última época

O Sporting já perdeu quatro jogadores titulares da última época, aos quais se junta Daniel Podence, que teve um papel importante na primeira metade da temporada, antes de sofrer uma lesão grave. É quase meia equipa que agora rescindiu contrato, alegando justa causa.

Rui Patrício totalizou 56 dos 60 jogos oficiais da equipa do Sporting, tendo colocado um ponto final a uma ligação que durava desde 1999, altura em que o guarda-redes da seleção nacional tinha apenas onze anos. Além do mais, trata-se de um jogador que tinha enorme importância na equipa, ou não fosse ele um dos capitães de equipa.

William Carvalho era outro dos capitães leoninos e um dos jogadores imprescindíveis para os últimos treinadores do Sporting: Jorge Jesus, Marco Silva e Leonardo Jardim, que o lançou na primeira equipa em 2013/14. Na última época, fez 38 jogos da equipa leonina, só não tendo jogado mais por causa das lesões. O médio defensivo chegou ao Sporting com apenas 13 anos, tendo feito toda a formação em Alcochete, de onde saiu apenas para jogar por empréstimo no Fátima (meia época) e Cercle Brugge (durante uma época e meia).

Gelson Martins era outro dos jogadores nucleares da equipa, tendo estado em 52 dos 60 jogos da equipa, com 13 golos marcados, bem como oito assistências para golo no campeonato. O extremo, que à semelhança de Rui Patrício e William, está integrado na seleção que vai disputar o Mundial2018, chegou a Alcochete aos 15 anos e de lá não mais saiu. Estreou-se na equipa principal aos 19 anos e tornou-se num dos jogadores mais entusiasmantes do Sporting, tendo saltado para a ribalta após uma exibição fantástica com o Real Madrid, no Santiago Bernabéu, que os leões acabariam por perder (1-2).

Bruno Fernandes foi contratado no início da última época à Sampdoria, a troco de 8,5 milhões de euros, e depressa se tornou num jogador essencial no Sporting, ao ponto de ser considerado um dos melhores da última edição da Liga, que lhe valeu a chamada ao Mundial2018. Sob o comando de Jorge Jesus, o médio foi utilizado em 56 jogos, tendo marcado 16 golos. Bruno Fernandes contabilizou ainda oito assistências para golo no campeonato.

Daniel Podence teve um início de época em que foi importante no Sporting, quase sempre como suplente utilizado. No total da época contabilizou 20 jogos de leão ao peito. Uma lesão grave no início de 2018 impediu a sua evolução, pois não voltou a ser utilizado por Jorge Jesus. O avançado chegou à Academia com apenas nove anos, tendo passado por todos os escalões de formação, tendo apenas deixado Alvalade durante meia época, em 2016/17, altura em que foi emprestado ao Moreirense.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.

Premium

Rogério Casanova

A longa noite das facas curtas

No terceiro capítulo do romance Time Out of Joint, o protagonista decide ir comprar uma cerveja num quiosque de refrigerantes que avistou à distância. Quando se aproxima, o quiosque de refrigerantes torna-se transparente, decompõe-se em moléculas incolores e por fim desaparece; no seu lugar, fica apenas um pedaço de papel, com uma frase inscrita em letras maiúsculas "QUIOSQUE DE REFRIGERANTES". É o episódio paradigmático de toda a obra de Philip K. Dick, na qual a realidade é sempre provisória e à mercê de radicais desestabilizações, e um princípio criativo cuja versão anémica continua a ser adoptada por qualquer produtor, realizador ou argumentista que procura tornar o seu produto intrigante sem grande dispêndio de imaginação.

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?