TVI revela despacho de juiz que responsabiliza Bruno de Carvalho

No documento é defendido que as criticas do presidente ao plantel "potenciaram o clima de animosidade" que originou as agressões na Academia

A TVI revelou esta terça-feira um despacho do juiz do tribunal do Barreiro sobre os últimos quarto arguidos que ficaram em prisão preventiva na sequência da invasão e agressões à Academia do Sporting, em Alcochete.

Nesse documento, é responsabilizado o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, uma vez que é defendido que as críticas públicas aos futebolistas, através das redes sociais, "potenciaram o clima de animosidade que já existia entre a Juve Leo [claque], os jogadores e a equipa técnica, face a alguns inêxitos de resultados desportivos".

No mesmo despacho, é considerado que os quatro arguidos, entre os quais o ex-chefe da claque Fernando Mendes, deslocaram-se à Academia com a intenção de agredir os jogadores e a equipa técnica liderada por Jorge Jesus, acrescentando que eles "sabiam que punham em causa a representação de Portugal no Mundial".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.