Tribunal decidiu, mas ninguém se entende sobre a AG de dia 23

Marta Soares é reconhecido como líder da MAG, com legitimidade para marcar Assembleia Geral Extraordinária, mas tribunal considera que não estão reunidas condições de segurança necessárias para a realização da mesma

A situação diretiva do Sporting continua a surpreender toda a gente. Nesta sexta-feira foi conhecida a decisão da providência cautelar apresentada por Jaime Marta Soares relativamente à assembleia geral extraordinária (AGE) de destituição do conselho diretivo agendada para 23 de junho. Na decisão, a que o DN teve acesso, o tribunal diz que, em relação a Jaime Marta Soares, "se afigura sumariamente demonstrada a existência da qualidade do requerente [da Assembleia Geral] e indiciariamente a convocatória da Assembleia Geral por quem de direito". Ou seja, Marta Soares é legitimado como presidente da MAG e é-lhe reconhecido o direito a convocar uma AGE. No entanto, o tribunal acaba por indeferir o pedido de Marta Soares, considerando que os motivos que invoca não são suficientes para que o assunto seja resolvido através de uma providência cautelar. Apesar de reconhecer que uma AGE pode colocar em risco a integridade física de Jaime Marta Soares, o juiz considera que o que o presidente da mesa da Assembleia Geral do SCP está a pedir ao Tribunal é apenas que garanta o cumprimento das "formalidades necessárias" à realização da AGE: "As medidas que o Requerente [Marta Soares] pede que o Requerido [Sporting] faculte não são meios adequados a acautelar que a assembleia geral não se transforme num risco para a integridade física dos participantes, mas simplesmente o cumprimento das formalidades necessárias para a sua integral realização. Pelo exposto, indefere-se liminarmente o presente procedimento cautelar".

Nesse sentido, Jaime Marta Soares, em comunicado, reiterou o pedido ao conselho diretivo "para que tome todas as medidas necessárias para assegurar a realização da AG de dia 23 de junho de 2018, com as medidas de segurança necessárias para que os sócios do clube possam participar e exercer os seus direitos".

Versão diferente tem o conselho diretivo, que ainda assim não põe em causa a decisão do tribunal em reconhecer a legitimidade de Jaime Marta Soares como presidente da MAG. Para o órgão presidido por Bruno de Carvalho, "o texto da decisão não podia ser mais claro: "Indefere-se liminarmente o presente procedimento cautelar"", lê-se no comunicado do conselho diretivo do clube, que reforça as declarações do presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, de que esta reunião magna não se vai realizar. "Todas as considerações que possa fazer o ex-presidente da MAG não têm qualquer relevância porquanto serão, posteriormente, discutidas em outra sede", conclui-se.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.