Bruno está "em negação". Situação é "muito perigosa"

"Acho que a situação é muito perigosa. Oxalá me engane", disse Ricciardi

José Maria Ricciardi, ex-membro do Conselho Leonino e sócio do Sporting, disse esta sexta-feira que a decisão anunciada ontem pelo presidente Bruno de Carvalho de não se demitir não o surpreendeu e alerta para situação perigosa.

"Quando as pessoas estão em negação, estão em negação", disse à agência Lusa José Maria Ricciardi, que na quarta-feira tinha defendido a demissão da administração da SAD e da direção do Sporting como fundamentais para ultrapassar a atual situação.

José Maria Ricciardi demitiu-se no início de abril em rota de colisão com Bruno de Carvalho e depois de um período inicial em que se remeteu ao silêncio decidiu intervir por entender que a atual situação pode provocar problemas muito sérios do ponto de vista patrimonial para o clube.

"Isso [a não demissão de Bruno de Carvalho] já eu sabia. Apelei foi aos outros membros do conselho diretivo para se demitirem, porque quanto mais tempo passar, mais os riscos graves patrimoniais e económicos irão aumentar", adiantou.

José Maria Ricciardi considera que, face à recusa de Bruno de Carvalho de se demitir, agora caberá aos sócios do Sporting decidirem.

"O 'timing' que é necessário para os sócios poderem decidir não é assim tão curto como isso. Acho que a situação é muito perigosa. Oxalá me engane", disse Ricciardi, acrescentando que mais importante do que esta ou outra direção é que "o Sporting não desapareça".

A polémica que envolve o Sporting agravou-se nos últimos dias, depois da derrota da equipa de futebol no domingo, no último jogo da I Liga de futebol, frente ao Marítimo, que fez o clube de Alvalade perder o segundo lugar para o Benfica.

Na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, que vai disputar com o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na Academia Sporting, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

A GNR deteve 23 dos atacantes e as reações de condenação do ataque foram generalizadas e abrangeram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Face às críticas, Bruno de Carvalho negou na quinta-feira qualquer responsabilidade pelo ataque na academia, rejeitou demitir-se da presidência do Sporting, e anunciou que vai processar Ferro Rodrigues, bem como comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado" após os atos de violência em Alcochete.

Entretanto, a Mesa da Assembleia-Geral demitiu-se em bloco, vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar renunciaram aos cargos e parte do Conselho Diretivo também renunciou.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve quatro pessoas ligadas ao Sporting na quarta-feira, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.