Bruno está "em negação". Situação é "muito perigosa"

"Acho que a situação é muito perigosa. Oxalá me engane", disse Ricciardi

José Maria Ricciardi, ex-membro do Conselho Leonino e sócio do Sporting, disse esta sexta-feira que a decisão anunciada ontem pelo presidente Bruno de Carvalho de não se demitir não o surpreendeu e alerta para situação perigosa.

"Quando as pessoas estão em negação, estão em negação", disse à agência Lusa José Maria Ricciardi, que na quarta-feira tinha defendido a demissão da administração da SAD e da direção do Sporting como fundamentais para ultrapassar a atual situação.

José Maria Ricciardi demitiu-se no início de abril em rota de colisão com Bruno de Carvalho e depois de um período inicial em que se remeteu ao silêncio decidiu intervir por entender que a atual situação pode provocar problemas muito sérios do ponto de vista patrimonial para o clube.

"Isso [a não demissão de Bruno de Carvalho] já eu sabia. Apelei foi aos outros membros do conselho diretivo para se demitirem, porque quanto mais tempo passar, mais os riscos graves patrimoniais e económicos irão aumentar", adiantou.

José Maria Ricciardi considera que, face à recusa de Bruno de Carvalho de se demitir, agora caberá aos sócios do Sporting decidirem.

"O 'timing' que é necessário para os sócios poderem decidir não é assim tão curto como isso. Acho que a situação é muito perigosa. Oxalá me engane", disse Ricciardi, acrescentando que mais importante do que esta ou outra direção é que "o Sporting não desapareça".

A polémica que envolve o Sporting agravou-se nos últimos dias, depois da derrota da equipa de futebol no domingo, no último jogo da I Liga de futebol, frente ao Marítimo, que fez o clube de Alvalade perder o segundo lugar para o Benfica.

Na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, que vai disputar com o Desportivo das Aves, a equipa de futebol foi atacada na Academia Sporting, em Alcochete, por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores.

A GNR deteve 23 dos atacantes e as reações de condenação do ataque foram generalizadas e abrangeram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Face às críticas, Bruno de Carvalho negou na quinta-feira qualquer responsabilidade pelo ataque na academia, rejeitou demitir-se da presidência do Sporting, e anunciou que vai processar Ferro Rodrigues, bem como comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado" após os atos de violência em Alcochete.

Entretanto, a Mesa da Assembleia-Geral demitiu-se em bloco, vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar renunciaram aos cargos e parte do Conselho Diretivo também renunciou.

Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve quatro pessoas ligadas ao Sporting na quarta-feira, incluindo o diretor desportivo do futebol, André Geraldes, na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol e de futebol.

Ler mais

Exclusivos