Sporting recusou três milhões por Carriço em abril

Sevilha apresentou uma proposta quatro vezes superior àquela que foi, agora, aceite. Jaime Ayash vê clube nas mãos de "gestores sem credibilidade". Elias poderá ir para Espanha.

O Sporting rejeitou uma proposta de três milhões de euros pela venda do passe de Daniel Carriço, em abril, ao Sevilha. O defesa português foi vendido este defeso ao Reading, a troco de 750 mil euros, mas Jaime Ayash garante que os leões tiveram, em mãos, uma oferta maior.

"O Sporting teve uma proposta com valores nada comparados à do Reading, de 750 mil euros, agora aceite pelo Daniel Carriço. É mais um ativo a ser vendido, um jovem jogador de grande qualidade, formado no clube", frisou o ex-membro da lista de Pedro Baltasar à presidência do Sporting, embora sem confirmar os números (três milhões) avançados pela Bola Branca.

O passe de Daniel Carriço, recorde-se, está penhorado a favor de Pedro Baltazar, desde dezembro de 2010, altura em que a SAD leonina comprou as ações que o ex-candidato à presidência dos leões detinha, por cerca de 5 milhões de euros. Jaime Aysah lembra que a maioria dos passes dos jogadores do Sporting estão hipotecados a entidades bancárias e volta a apelar a uma nova direção no Sporting.

"O Sporting está a atravessar um período muito complicado e, ou mudamos hoje, ou não sei como será no futuro. Estou muito preocupado, até pela relação da minha família com o Sporting. O clube está a ser gerido por gestores sem credibilidade. Claramente estão no mau caminho. Ou se muda já, ou podemos não ter Sporting no futuro", frisou.

Entretanto, o médio Elias, a contratação mais cara da história do clube (8,8 milhões de euros), poderá estar a caminho de Espanha. De acordo com as últimas informações veiculadas no Brasil, Corinthians e Flamengo ainda não apresentaram propostas do agrado do Sporting e, por isso, o futuro do médio poderá passar por Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".