Mesa da AG garante todas as condições de segurança

Decorreu nesta segunda-feira uma reunião na Altice Arena para preparar a Assembleia Geral Extraordinária de destituição do Conselho Diretivo

Elementos da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting, incluindo o presidente Jaime Marta Soares, reuniram-se esta segunda-feira na Altice Arena, em Lisboa, com funcionários do clube e forças de segurança para preparar "ao pormenor" a Assembleia Geral de sábado na qual vai ser votada a destituição do Conselho Diretivo liderada por Bruno de Carvalho.

Fonte da MAG disse à agência Lusa que a reunião serviu para acertar "ao pormenor" com os funcionários do Sporting - responsáveis pela realização das assembleias-gerais do clube - e com as forças de segurança, designadamente a Polícia de Segurança Pública, a organização da Assembleia Geral do próximo sábado.

A mesma fonte sublinhou que "está tudo preparado e que estão criadas todas as condições de segurança e de organização para que os sócios possam exercer com garantias" o seu direito de escolha, deixando um apelo à participação de todos os associados do clube, que poderão "livremente e em segurança expressar as suas ideias e o seu sentido de voto".

Ainda de acordo com a mesma fonte foi tudo "estudado minuciosamente para que os sócios possam intervir e votar de forma expedita".

A crise institucional no clube desencadeou-se após as agressões sofridas por vários elementos do plantel e da equipa técnica em 15 de maio, na Academia do Sporting, em Alcochete, levadas a cabo por cerca de 40 pessoas encapuzadas, dos quais 27 foram detidos e ficaram em prisão preventiva.

Depois destes acontecimentos, a maioria dos membros da Mesa da Assembleia Geral (MAG) e do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) e parte da direção apresentaram a sua demissão, defendendo que Bruno de Carvalho não tinha condições para permanecer no cargo.

Após duas reuniões dos órgãos sociais, o presidente demissionário da MAG, Jaime Marta Soares, marcou uma Assembleia Geral para votar a destituição do Conselho Diretivo (CD), para 23 de junho e criou uma comissão de fiscalização para evitar o vazio provocado pela demissão da maioria dos elementos do CFD.

O CD, que não reconhece legitimidade a esta decisão, criou uma comissão transitória da MAG, que, por sua vez, convocou uma AG ordinária para o dia 17 de junho, para aprovação do Orçamento da época 2018/19, análise da situação do clube e para esclarecimento aos sócios, e marcou uma AG eleitoral para a MAG e para o CFD para o dia 21 de julho.

Dando provimento a uma providência cautelar interposta pela MAG, o Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa considerou ilegal a comissão transitória da MAG nomeada pela direção do Sporting, bem como as reuniões magnas por esta marcadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.