Sporting venceu Marítimo por 5-0 com hat-trick de Bas Dost

Bryan Ruiz e Acuña também marcaram no triunfo mais gordo dos leões esta época em Alvalade na I Liga

O Sporting goleou hoje o Marítimo, por 5-0, na 17.ª jornada da I Liga de futebol, encerrando a primeira volta do campeonato invicto e provisoriamente na liderança, com mais um ponto que FC Porto, que ainda joga esta noite.

Os três golos de Bas Dost (21, 74 e 78), um de Bryan Ruiz (50) e outro de Marcos Acuña (90+1) permitiram ao Sporting voltar provisoriamente ao primeiro lugar da tabela sem derrotas ao fim de 17 jornadas, somando agora 43 pontos, mais um do que os 'dragões', que recebem o Vitória de Guimarães.

Depois do dérbi (1-1) com o Benfica a meio da semana, Jorge Jesus optou por fazer quatro alterações relativamente ao 'onze' apresentando no Estádio da Luz, apostando no habitual esquema tático de 4x4x2, mas colocando Bryan Ruiz pela primeira vez a titular em jogos da I Liga, relegando Rodrigo Battaglia para segunda escolha, enquanto Daniel Podence rendeu Marcos Acuña com a missão de apoiar o holandês Bas Dost na frente de ataque.

Já na defesa, e face às lesões de Cristiano Piccini e de Jérémy Mathieu, o técnico 'leonino' foi forçado a confiar em Stefan Ristovski em detrimento do italiano, que até foi convocado, mas nem se sentou no banco de suplentes, tal como o central francês, ao ser rendido por André Pinto para fazer dupla com Sebástian Coates.

No conjunto de Daniel Ramos, a série irregular de resultados tem marcado os últimos encontros dos madeirenses. Após a eliminação da fase grupos da Taça da Liga, a última vitória (1-0) para a I Liga remonta a 11 de dezembro, na receção ao Sporting de Braga.

Se já seria espectável que os 'leões' tomassem conta do encontro e obrigassem o Marítimo a jogar apenas no seu meio campo, isso confirmou-se. Contudo, apesar do domínio, o Sporting tardava em alvejar com perigo a baliza visitante e, do outro lado, apanhou um valente susto contra a corrente do jogo, com o central Diney a aparecer solto de marcação para fazer o primeiro tento, mas a cabecear de forma desastrosa por cima da barra de Patrício.

Porém, os bons entendimentos entre Gelson Martins e Bas Dost ao longo da temporada voltaram a dar frutos quando já estava ultrapassado o minuto 20 e o Sporting nada tinha feito para justificar a vantagem. O internacional português recebeu um passe do central Coates, que apanhou a defesa desprevenida e ofereceu de 'bandeja' a finalização fácil ao ponta de lança holandês, que levava três partidas sem marcar.

Os segundos 45 minutos começaram com duas oportunidades para cada lado, mas foi o Sporting que acabou por dilatar a vantagem. Primeiro, Bruno Fernandes bateu um canto ao encontro de William Carvalho, que atirou por cima. Depois, Fabrício respondeu com um 'sprint' a ultrapassar André Pinto, acabando por ser Rui Patrício a salvar com uma defesa para canto.

Só que, tal como havia acontecido no primeiro golo, os defesas da equipa insular voltaram a estar em destaque pela negativa. Na sua zona de construção acabaram por oferecer a bola a Bruno Fernandes para este desmarcar de forma primorosa o costa-riquenho Bryan Ruiz, que voltou a marcar no Estádio José Alvalade um ano e meio depois.

Jorge Jesus optou por mexer na equipa a partir dos 75 minutos, e os 'leões' colocaram um ponto final no que à discussão do resultado diz respeito. As entradas de Acuña, Battaglia e Iuri Medeiros vieram dar um fulgor ofensivo ainda mais acentuado, contribuindo para o goleador holandês voltar a faturar sem dificuldades por mais duas ocasiões e chegar aos 16 golos no campeonato.

Do outro lado, Daniel Ramos tardou em mexer e só a 15 minutos do apito final lançou as referências atacantes Ricardo Valente e Ibson Melo. A toada manteve-se e foi o Sporting que acabou por tornar os números ainda mais esmagadores, desta vez pelos pés do argentino Acuña.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.