Sporting agarra o Benfica com tiro de Bruno Fernandes

Médio português fez os dois golos dos leões (o segundo ao minuto 89) num jogo em que o Portimonense chegou a dominar na segunda parte. Sporting colou-se ao arquirrival no 2.º lugar

Bruno Fernandes voltou a ser determinante, como tem sido ao longo da época. Dois golos seus, o segundo já a acabar, deram a vitória ao Sporting no terreno do Portimonense. Os leões estão assim empatados com o Benfica (e a dois pontos do FC Porto, que joga hoje na Madeira), antes do dérbi de sábado.

Foi um final dramático, mas o Sporting teve mais oportunidades e melhores, mesmo sendo feliz nessa parte final em que, inegavelmente, procurou muito a vitória. O Portimonense também não merecia perder, mas o tiro de Bruno Fernandes, aos 89", era indefensável.

O Sporting entrou em campo a saber que podia igualar o Benfica, em caso de vitória, e o início foi muito verde e branco. Logo ao terceiro minuto, Leo fez uma grande defesa (não seria a única), após um canto que Battaglia cabeceou ao segundo poste. Jorge Jesus tinha a sua defesa em emergência, sem Piccini, André Pinto e Mathieu - jogaram Ristovski e Petrovic, habitual médio defensivo - mas daí para a frente era o que tem sido habitual.

O Portimonense aparecia mais em 4-3-3 e teve também a infelicidade de o médio Marcel se lesionar antes dos 20", obrigando à entrada de Dener, que é um homem com características mais de médio organizador do que de trabalhador (mas ontem até foi bastante agressivo, porque a equipa precisava disso).

O Sporting marcou ainda dentro do primeiro quarto de jogo, num desvio de cabeça de Bas Dost a isolar Bruno Fernandes, que fez o golo com um toque só e em chapéu. Belo golo do médio, cada vez mais próximo de merecer a sua chamada para o Mundial da Rússia. Um lance legal mas que deixou dúvidas dissipadas para o árbitro também pelo VAR.

Gelson era a grande fonte do jogo dos leões. Ontem estava mais em permanência sobre a direita e mostrou muito do seu repertório, em fintas, acelerações, passes e desmarcações. Com Bruno Fernandes e Bryan Ruiz, o meio-campo do Sporting mandava, até porque Battaglia fazia bem o trabalho sobre Nakajima e Fede Varela. A primeira meia hora deu a ideia de que as coisas iam ser fáceis para o Sporting.

Antes do intervalo o Portimonense empatou - cruzamento de Tabata, Fabrício a aparecer a finalizar no meio dos centrais, de toque único e as coisas foram diferentes. A asa esquerda, com Rafa Soares e Tabata, foi das boas coisas apresentadas pela equipa da casa . O início da segunda parte viu uma equipa de Vítor Oliveira forte e a obrigar o Sporting a defender, apesar de ter sido Gelson a falhar uma boa oportunidade quando Bas Dost fez outra vez de tabeleiro de cabeça.

Jesus tentou a substituição que tem feito - saiu Coentrão, Acuña recua para a defesa, entrou Misic que foi jogar para a direita e teve logo um bom remate. O Sporting da segunda parte já não dominava, a posse era repartida, os algarvios até tinham mais cantos e remates. O leão parecia cansado. Entrou Montero e teve ainda um fôlego último em que Dost e Gelson podiam ter marcado. A equipa estava menos organizada e mais ansiosa, mas acabou por ser feliz no tiro imparável de Bruno Fernandes, aos 89", de fora da área.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.