Sousa Cintra: "Vamos encontrar as soluções todas"

Líder da SAD nomeado pela Comissão de Gestão falou esta terça-feira aos jornalistas à chegada às instalações da sociedade

Sousa Cintra chegou na manhã desta terça-feira à SAD do Sporting, mas não quis adiantar pormenores sobre a situação financeira nem sobre a continuidade do treinador Sinisa Mihajlovic, que estará de saída do clube apesar de ainda não ter orientado qualquer treino.

"Queremos deixar tudo a funcionar dentro da normalidade, para que possamos lutar pelos primeiros lugares", começou por dizer aos jornalistas. "Para isso acontecer é preciso tomar decisões acertadas e escolher bem. Estou certo que vou encontrar as soluções adequadas para termos um grande Sporting. Deixava-me triste ver falarem do Sporting pelas piores razões, que íamos precisar de dois ou três anos para recuperar... O Sporting é um clube grande, que amo de coração. Estou certo que vou deixar o Sporting muito bem e que vamos encontrar as soluções todas para que os sportinguistas se revejam numa situação de força, otimismo e esperança", acrescentou o líder da SAD nomeado pela Comissão de Gestão.

Acerca da continuidade ou não do técnico sérvio, prometeu falar sobre o assunto esta quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.