"Se o Alavés ganhou em Camp Nou, o Sporting também pode vencer"

Avançado brasileiro que jogou no Belenenses marcou e ganhou aos catalães em 2016. Ao DN deixa conselhos aos leões para esta noite

O Sporting está obrigado a vencer esta noite em Camp Nou, diante do Barcelona, e esperar que, em Atenas, a Juventus não ganhe ao Olympiacos, para conseguir o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Uma tarefa complicadíssima para a equipa de Jorge Jesus, pois os catalães não perdem em casa há 23 jogos para a liga milionária - a última vez que saíram derrotados foi a 1 de maio de 2013, nas meias-finais, diante do Bayern Munique e logo por 0-3.

Na última época e meia, o Barça sofreu apenas dois desaires em casa, esta temporada diante do Real Madrid para a Supertaça, e na 3ª jornada da Liga espanhola 2016-17 diante do improvável Alavés. Um dos heróis desse jogo foi o brasileiro Deyverson, atual avançado do Palmeiras, que em Portugal representou o Benfica B e o Belenenses. O atacante de 26 anos guarda esse jogo em Camp Nou como um marco na sua carreira: "Sinto-me um privilegiado por ter marcado um golo ao Barcelona em casa deles."

Nesse contexto, ao DN, deixa claro que a missão dos leões "não é impossível". "Eu conheço bem o Sporting, é uma equipa com grandes jogadores e que luta por títulos. O Alavés lutava para não descer de divisão, por isso se nós conseguimos ir lá ganhar, o Sporting também pode vencer", atirou, explicando qual o segredo para sair de Camp Nou com os três pontos: "Os jogadores do Sporting têm de entrar em campo com o pensamento na vitória e com a certeza de que são capazes. Mas também têm de jogar bastante unidos. Ninguém pode entrar a querer ser o príncipe do jogo, pois só é possível vencê-los com uma grande coesão do grupo."

Deyverson recorda-se que os jogadores do Alavés entraram nessa partida "a jogar a mil à hora", advertindo que se o Sporting fizer o mesmo "será um jogo disputado de igual para igual". O brasileiro considera que o Sporting tem de estar sobretudo preocupado com Messi, a estrela maior do Barcelona. Mas não só: "Todos os olhos têm de estar nele [Messi], mas atenção que os outros jogadores são todos muito bons e podem desequilibrar a qualquer momento. O Sporting não se pode distrair um segundo, se isso acontecer poderá ser fatal."

Só os dragões venceram

O Camp Nou é uma autêntica fortaleza, onde apenas uma equipa portuguesa conseguiu vencer em 14 jogos disputados. Foi o FC Porto, na Taça UEFA de 1972--73, quando Miglietti marcou o golo que deu o triunfo (1-0) aos dragões, então eram orientados pelo chileno Fernando Riera, confirmando o apuramento para a segunda eliminatória da prova, depois de os portistas terem ganho em casa por 1-0.

De resto, o melhor que as equipas portuguesas conseguiram foram dois empates: o Belenenses (1-1), na Taça das Cidades com Feira de 1962-63, e o Benfica de Jorge Jesus (0-0) na fase de grupos da Champions de 2012-13, numa partida em que o Barcelona, orientado por Tito Vilanova, já estava qualificado e alinhou sem alguns dos seus principais jogadores, entre os quais Messi, que só entrou na segunda parte. Hoje tem a palavra o Sporting...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)