Ryan Gauld emprestado ao Desportivo das Aves

Médio não entrava nas contas de Jorge Jesus

O escocês Ryan Gauld é o novo jogador do Desportivo das Aves, por empréstimo do Sporting, anunciou esta segunda-feira o clube recém-chegado à I Liga portuguesa de futebol.

O internacional escocês sub-21 chega emprestado pelo Sporting por uma temporada e junta-se esta terça-feira aos restantes colegas realizando o primeiro treino.

Ryan Gauld, que começou a temporada passada emprestado ao Vitória de Setúbal, regressou em janeiro aos 'leões' e junta-se agora a Mama Baldé, lateral-direito que, apesar de também ter feito parte da pré-época com a equipa principal do Sporting, acabou por ser cedido ao clube recém-promovido ao principal escalão do futebol português.

Esta é a 20.ª contratação do Desportivo das Aves para a nova temporada, depois garantidos Facchini, Gonçalo Santos, Valdeir, Braga, Diego Galo, Nildo, Falcone, Youssouf Sow, Pedrinho, Rodrigo Soares, Nélson Lenho, Sami, Washington, Vítor Gomes, José Ricardo, Rodrigo Defendi, Salvador Agra, Mama Baldé, Amilton e Ricardo Mangas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...