"Rui Vitória? Não o qualifico como treinador"

Treinador do Sporting muito crítico com o técnico benfiquista após o jogo com o V. Setúbal

Declarações explosivas de Jorge Jesus sobre Rui Vitória no final do jogo com o V. Setúbal, em jeito de resposta ao que o técnico benfiquista disse na terça-feira - referiu que Jesus era mau colega e estava obcecado com o Benfica e o FC Porto. Definitivamente, a guerra entre os dois treinadores rivais está para durar.

Aqui ficam as declarações de Jesus que prometem incendiar os próximos dias.

"Sou mau colega? Treinador? Como não o qualifico como treinador, logo não sou mau colega. Para ser treinador ele tem de ser muito mais. Fi-lo sair da toca, que era o que eu queria. Ele tem de se assumir. Para treinar o Benfica tem de se assumir. Para conduzir um Ferrari é preciso ter andamento para ele. Vamos ver se aquele Ferrari continua a andar"

"Estou obcecado pelo Benfica, FC Porto e todos os meus adversários, principalmente pelos rivais que estão na luta direta pelo campeonato. Procuro conhecer bem o adversário para quando for a quarta vez voltar a ganhar. Estamos a fazer o nosso caminho. Estamos obcecados para continuar em primeiro, obcecados porque queremos ser melhor que os outros, estamos obcecados por fazer coisas para a grandeza do clube."

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.