Ricciardi: "Bas Dost não quer ouvir falar mais no Sporting"

Ex-membro do Conselho Leonino apela à saída inevitável de Bruno de Carvalho. "É a única solução para quem quer que o Sporting continue", depois deste caso "gravíssimo", defende, em declarações ao DN

Bruno de Carvalho não tem condições para continuar a ser presidente do Sporting, nem para se recandidatar ou reganhar o clube. Quem o afirma sem sombra de dúvida é José Maria Ricciardi, que há cerca de um mês deixou o Conselho Leonino e retirou o apoio ao presidente do clube, depois de o presidente que até então apoiava ter aberto um conflito institucional com os jogadores.

Ricciardi sublinha que "há outras pessoas que eram inquestionáveis no apoio ao presidente" a constatar que se tornou insustentável - caso de Daniel Sampaio, por exemplo, que ainda ontem à tarde pediu a demissão em bloco da direção.

"Há coisas que não são irreversíveis e isto é gravíssimo"", acrescenta o banqueiro em declarações ao DN, vincando que, com os casos de corrupção conhecidos nos últimos dias, nomeadamente ontem, no futebol, "o Sporting corre o risco de despromoção". Chocado, Ricciardi sublinha que "o braço-direito de Bruno de Carvalho é arguido em 17 crimes de corrupção ativa" e diz temer "o pior caso esta situação não se resolva a grande velocidade". "Há também risco de insolvência de uma instituição que tem um impacto social imenso. Isto é um problema para o país, um caso que afeta o futebol português na sua totalidade. Além de ser, como disse o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, um vexame para Portugal."

Para Ricciardi, não há outra solução senão a saída imediata de Bruno de Carvalho e de toda a direção. "É de tal forma evidente que têm de sair que não entendo como ainda não o fizeram. É inconcebível, é triste, é mesmo um vexame, sem desculpa possível. E ainda pior, quando o presidente aparece a seguir a estas agressões a dizer que foi uma chatice. A única solução para quem quer que o Sporting continue é a saída desta direção."

Sem querer particularizar, Ricciardi afirma que falou "com pessoas que lá estiveram, que foram agredidas, e dizem que aquilo foi um terror. Não admira que Bas Dost não queira ouvir falar mais no Sporting". Defendendo os jogadores e equipa técnica, que lembra terem sido "sujeitos a constantes ataques", o ex-dirigente sublinha que "com uma direção nova, que se comprometa a tratá-los como qualquer presidente normal trata a sua equipa, nessa altura talvez se consiga estancar a potencial perda. Mas admite que "não vai ser fácil" conseguir reter e contratar jogadores para a próxima época.

"Se encontrarmos um conjunto de pessoas que assumam já a gestão, que constituam uma direção sem qualquer responsabilidade nisto, acredito que talvez possa haver um mínimo de condições para trabalhar no clube."

De resto, Ricciardi afirma que a agressão aos jogadores em Alcochete não pode ser vista como uma surpresa. "Houve imensos sinais", sublinha, enumerando "o caso das tochas sobre Rui Patrício, em que a direção não fez nada; as tentativas de agressão na garagem do estádio, em que a direção não fez nada". "E agora terminou nesta situação, que no mínimo é indicativa de incúria e incompetência de uma gravidade sem limites."

E conclui, sobre Bruno de Carvalho: "Pessoas destas não têm condições para se candidatar a nada."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?