Piccini, Mathieu, André Pinto e William falham Portimonense

Quarteto desfalca opções do treinador do Sporting, Jorge Jesus, na visita ao Algarve. De regresso à lista de convocados estão Wendel e João Palhinha.

Os defesas Piccini, Mathieu e André Pinto e o médio William Carvalho ficaram fora da lista de convocados do Sporting e vão falhar o duelo deste sábado com o Portimonense, da 32.ª jornada da I Liga de futebol.

Os quatro jogadores não vão poder atuam no Algarve devido a problemas físicos. O último a juntar-se ao lote de indisponíveis foi Mathieu, foi substituído o ainda durante o decorrer da primeira parte da partida da útlima jornada com o Boavista (1-0), devido a lesão.

Com apenas um defesa central disponível, o técnico Jorge Jesus terá que voltar a adaptar um jogador para fazer essa posição, sendo esperado que Petrovic, habitualmente médio defensivo, volte a aparecer junto a Coates.

Em comparação com a convocatória do jogo com o Boavista, Wendel e João Palhinha regressam às opções de Jesus, que chamou um total de 19 jogadores.

Bruno César, Rafael Leão e Podence, todos a recuperar de lesões mais graves, já eram baixas esperadas.

O Portimonense-Sporting tem início agendado para as 20:30 e terá arbitragem de Manuel Oliveira, da Associação de Futebol do Porto.

Lista dos 19 convocados:

- Guarda-redes: Rui Patrício e Salin.

- Defesas: Coates, Fábio Coentrão, Ristovski, Petrovic e Lumor.

- Médios: Bruno Fernandes, Bryan Ruiz, Acuña, Misic, João Palhinha, Battaglia, Wendel, Gelson Martins e Rúben Ribeiro.

- Avançados: Montero, Bas Dost e Doumbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.