Processos a antigos dirigentes: Couceiro pede bom senso

Antigo candidato à presidência frisa importância de haver alguma tranquilidade até fim da época

José Couceiro, antigo candidato à presidência do Sporting, sublinhou que é preciso "bom senso" na abordagem aos possíveis processos movidos a antigos dirigentes dos 'verde e brancos', salientando que o foco "tem de ser a equipa de futebol".

"Acho que neste momento é importante que haja alguma tranquilidade até ao final da época, há aqui questões que já o disse não estou completamente por dentro, mas também não concordo com determinado tipo de procedimentos. Penso que tem de haver aqui algum bom senso, algum equilíbrio e discutir as questões nos sítios certos e não em termos públicos", afirmou à margem do Fórum do treinador de futebol e futsal, que termina hoje, em Setúbal.

Apesar de pedir reserva neste tema, Couceiro vincou que as pessoas visadas no tema "se irão pronunciar".

"A seu tempo todos se irão pronunciar sobre estas questões. Ficar no ar a suspeição sobre pessoas que têm um percurso de seriedade, acho que têm de o esclarecer", disse.

Sobre o aspeto desportivo, Couceiro sublinhou que o campeonato está em aberto, colocando o Sporting como a equipa que "tem apresentado melhor qualidade".

"O campeonato está em aberto, o Sporting tem de pensar um jogo de cada vez, a estrelinha de campeão procura-se. Neste momento, acho que não vou exagerar ao dizer que, dos três 'grandes', o que tem apresentado melhor qualidade tem sido o Sporting. Tem de haver um equilíbrio, ainda falta muito tempo até ao fim do campeonato", concluiu

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.