"Os sócios não mandavam no Sporting"

As principais preocupações do Conselho Leonino, os bem-falantes e o "desprezo" do Conselho Diretivo pelas propostas feitas pelos sócios em Assembleia Geral

Eduardo Barroso, presidente da Mesa da Assembleia Geral disse: "Estou farto de algumas castas de pseudos-dirigentes, verdadeiros terroristas de fato e gravata". Quem são esses terroristas?

São as pessoas ligadas ao Conselho Diretivo e Conselho Leonino e que dominaram o Sporting até 23 de março. Até esse dia o Sporting foi dominado por um pequeno grupo de pessoas bem falantes, denominados notáveis e que estão completamente afastados dos sócios do Sporting. E explico com um exemplo. Godinho Lopes propôs-me que eu chegasse junto "dos miúdos do movimento" e dissesse para eles retirarem o requerimento. E eu respondi "ó Luís não vou fazer isso. Para já não trato nenhum sócio do Sporting por miúdo, são pessoas licenciadas e respeitadas, depois eles são apenas o rosto dos 800 ou mais sócios que subscreveram o requerimento. Não vou pedir para retirar nada". "Mas o Daniel consegue que eles adiem o requerimento e que a AG se realize em Maio", contrapôs-me. E eu salientei que a AG tem um prazo de 30 dias, no momento em que o requerimento é deferido a AG tem que se realizar. Repare, estas pessoas pensam assim dos sócios.

Acha que essas pessoas pensavam que os sócios não mandavam no Sporting?

Os sócios não mandaram no Sporting até 23 de março de 2013. Havia um desprezo total, que foi visível em várias AG"s. As propostas dos sócios eram sublinhadas com sorrisos e apartes de membros do CD. Havia um total desrespeito pela opinião dos sócios que fosse diferente da deles. No Conselho Leonino a mesma coisa. Os senhores que tanto se preocupavam em ser ouvidos e em dar opiniões nunca emitiram uma opinião válida, nem fizeram qualquer proposta construtiva sobre o clube. As suas intervenções... porque razão não tinham acesso ao croquete, o que se passava com o Adrien, etc. Uma verdadeira vergonha. Para além de que faltavam constantemente e muitos nem lá puseram os pés. O Sporting funcionava como um grupo de sócios, ditos notáveis, que não são nada notáveis, que controlavam toda a informação do Sporting, que têm desprezo pela maioria do Sporting, que entendem que o clube deve seguir aquilo que eles pensam.

Exclusivos