Os perigos que esperam o Sporting em Astana

Benfica jogou ali em 2015 e um elemento dessa comitiva recorda a dificuldade em respirar devido ao ar condicionado do estádio

A equipa do Sporting partiu ontem à noite para Astana, no Cazaquistão, para aquela que é a viagem mais longa das provas da UEFA. Serão cerca de oito horas de viagem que os jogadores fizeram a dormir, uma vez que a equipa técnica dos leões optou por manter o fuso horário de Lisboa, evitando assim a adaptação a um horário de mais seis horas na capital cazaque.

Aliás, este foi o procedimento adotado pelo Benfica em novembro de 2015 quando ali foi jogar para a Champions. Um dos membros da comitiva encarnada na altura, que preferiu o anonimato, explicou ao DN que nessa deslocação o grupo "almoçava e jantava a horas impróprias para os cazaques", pois, para se ter uma ideia, o jantar era servido às 02.00 da manhã, hora local. "Evitámos a adaptação ao fuso horário, até porque era uma deslocação de poucos dias e tínhamos um jogo no fim de semana seguinte", explicou.

Os principais problemas com que a equipa do Sporting se vai debater em Astana prendem-se sobretudo com a adaptação ao relvado sintético. "Os nossos jogadores tiveram de usar botas com pitões de borracha e mesmo assim a adaptação ao piso é difícil porque a aquele tipo de relva torna o jogo mais rápido e por isso é que o Benfica começou tão mal o jogo", recorda, apontando desde logo outro problema: "O estádio é fechado, a temperatura lá dentro é agradável [cerca de 16 graus], mas o ar condicionado dificulta a respiração dos atletas. A adaptação da véspera é importante, mas em jogo é sempre diferente, até porque os jogadores do Astana estão habituados àquelas condições."

Assim sendo, o frio - cerca de 16 graus negativos à hora do jogo - não será um problema para os jogadores do Sporting no Cazaquistão, uma vez que, à semelhança do que fez o Benfica, só deverão ter contacto com a temperatura exterior nas viagens entre o aeroporto, o hotel e o estádio. "Nós não saímos do hotel porque estavam 20 graus negativos, por isso houve pouco contacto com essa realidade", conta a mesma fonte, considerando que a equipa do Astana acaba por ser "o menor dos problemas", pois "as equipas portuguesas têm muito mais qualidade". "O nosso início de jogo lá foi muito complicado, chegámos a estar a perder por 2-0, mas depois com a melhor adaptação às condições do piso e do estádio acabámos por empatar com dois golos do Raúl Jiménez", recorda, lembrando que na viagem de regresso a Lisboa, já com o apuramento garantido, a comitiva, que já estava a dormir, apanhou "um grande susto com uma turbulência fora do normal".

Bruno avisado e Mathieu ausente

A comitiva leonina partiu para o Cazaquistão, onde amanhã (16.00 horas) defronta o Astana para os 16-avos-de-final da Liga Europa, com o presidente Bruno de Carvalho, que ontem recebeu "um aviso" do Comité de Ética e Disciplina da UEFA. Na prática foi-lhe aberto um procedimento disciplinar por ter criticado os árbitros dos jogos com Juventus e Barcelona nas redes sociais, razão pela qual poderá ser castigado se repetir as críticas.

Entre os convocados, destaque para a ausência do francês Mathieu, que fica em Lisboa, tal como Bas Dost e Podence. Em contrapartida, foram chamados Rafael Leão e o guarda-redes Luís Maximiano. O treinador Jorge Jesus admitiu não ter conhecimento profundo sobre o Astana e avisou: "É um adversário forte em casa e que vai discutir a eliminatória."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.