Os perigos que esperam o Sporting em Astana

Benfica jogou ali em 2015 e um elemento dessa comitiva recorda a dificuldade em respirar devido ao ar condicionado do estádio

A equipa do Sporting partiu ontem à noite para Astana, no Cazaquistão, para aquela que é a viagem mais longa das provas da UEFA. Serão cerca de oito horas de viagem que os jogadores fizeram a dormir, uma vez que a equipa técnica dos leões optou por manter o fuso horário de Lisboa, evitando assim a adaptação a um horário de mais seis horas na capital cazaque.

Aliás, este foi o procedimento adotado pelo Benfica em novembro de 2015 quando ali foi jogar para a Champions. Um dos membros da comitiva encarnada na altura, que preferiu o anonimato, explicou ao DN que nessa deslocação o grupo "almoçava e jantava a horas impróprias para os cazaques", pois, para se ter uma ideia, o jantar era servido às 02.00 da manhã, hora local. "Evitámos a adaptação ao fuso horário, até porque era uma deslocação de poucos dias e tínhamos um jogo no fim de semana seguinte", explicou.

Os principais problemas com que a equipa do Sporting se vai debater em Astana prendem-se sobretudo com a adaptação ao relvado sintético. "Os nossos jogadores tiveram de usar botas com pitões de borracha e mesmo assim a adaptação ao piso é difícil porque a aquele tipo de relva torna o jogo mais rápido e por isso é que o Benfica começou tão mal o jogo", recorda, apontando desde logo outro problema: "O estádio é fechado, a temperatura lá dentro é agradável [cerca de 16 graus], mas o ar condicionado dificulta a respiração dos atletas. A adaptação da véspera é importante, mas em jogo é sempre diferente, até porque os jogadores do Astana estão habituados àquelas condições."

Assim sendo, o frio - cerca de 16 graus negativos à hora do jogo - não será um problema para os jogadores do Sporting no Cazaquistão, uma vez que, à semelhança do que fez o Benfica, só deverão ter contacto com a temperatura exterior nas viagens entre o aeroporto, o hotel e o estádio. "Nós não saímos do hotel porque estavam 20 graus negativos, por isso houve pouco contacto com essa realidade", conta a mesma fonte, considerando que a equipa do Astana acaba por ser "o menor dos problemas", pois "as equipas portuguesas têm muito mais qualidade". "O nosso início de jogo lá foi muito complicado, chegámos a estar a perder por 2-0, mas depois com a melhor adaptação às condições do piso e do estádio acabámos por empatar com dois golos do Raúl Jiménez", recorda, lembrando que na viagem de regresso a Lisboa, já com o apuramento garantido, a comitiva, que já estava a dormir, apanhou "um grande susto com uma turbulência fora do normal".

Bruno avisado e Mathieu ausente

A comitiva leonina partiu para o Cazaquistão, onde amanhã (16.00 horas) defronta o Astana para os 16-avos-de-final da Liga Europa, com o presidente Bruno de Carvalho, que ontem recebeu "um aviso" do Comité de Ética e Disciplina da UEFA. Na prática foi-lhe aberto um procedimento disciplinar por ter criticado os árbitros dos jogos com Juventus e Barcelona nas redes sociais, razão pela qual poderá ser castigado se repetir as críticas.

Entre os convocados, destaque para a ausência do francês Mathieu, que fica em Lisboa, tal como Bas Dost e Podence. Em contrapartida, foram chamados Rafael Leão e o guarda-redes Luís Maximiano. O treinador Jorge Jesus admitiu não ter conhecimento profundo sobre o Astana e avisou: "É um adversário forte em casa e que vai discutir a eliminatória."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."