"Não sei do que padecerá" Bruno de Carvalho, diz Abrantes Mendes

Referiu ainda que, caso haja nova assembleia geral do Sporting, o atual presidente vai "chamar outra vez a guarda pretoriana, como é hábito"

Ex-candidato à presidência do Sporting, antigo dirigente do clube e também ex-provedor para a Ética no Desporto, Sérgio Abrantes Mendes afirmou que "Bruno de Carvalho não se vai demitir". "As pessoas que não se iludam, ele precisa mais do Sporting do que o Sporting precisa dele", acrescentou.

" [Bruno de Carvalho] vai requerer a assembleia geral e vai chamar outra vez a guarda pretoriana, como é hábito, no sentido de não deixar que as coisas decorram na sua totalidade ordem pública", afirmou Abrantes Mendes no Fórum TSF.

Acrescentou ainda que o atual presidente do Sporting "não vai abandonar" porque "tem um problema de personalidade". Considera também que Bruno de Carvalho "é um homem que, neste momento, precisa de muita ajuda, não está bem". "Não sei do que padecerá, não está bem", frisou Sérgio Abrantes Mendes.

"Se me perguntar se acho que Bruno de Carvalho tem condições para continuar, acho que já fez mal de mais ao Sporting para se responder afirmativamente", disse também aos microfones da TSF.

E vai mais além, sugerindo algo que não tem "consagração estatutária". "Eu vou sugerir ao presidente da mesa da Assembleia Geral uma coisa: que veja, estude, pondere a possibilidade de proceder a um referendo aos associados, em que a pergunta é sim ou não à continuidade de Bruno de Carvalho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.