Morreu Moniz Pereira, o "senhor atletismo"

Treinou atletas que trouxeram o ouro olímpico e de mundiais para Portugal e é visto como um dos grandes impulsionadores da modalidade

Morreu o "Senhor Atletismo", Mário Moniz Pereira, aos 95 anos. Moniz Pereira treinou atletas como Carlos Lopes e Fernando Mamede e era considerado o responsável por várias medalhas olímpicas e mundiais. A informação foi avançada pelo Sporting nas redes sociais.

"O Professor Mário Moniz Pereira é o símbolo máximo do ecletismo do Sporting CP e desporto nacional", escreve o clube na rede social Facebook.

Mário Alberto Freire Moniz Pereira, o "Senhor Atletismo", nasceu a 11 de fevereiro de 1921, em Lisboa. A história da sua vida, noventa e cinco anos "bem vividos", confunde-se com a do atletismo, que amava como ninguém, e também com a do fado. Mesmo depois de fazer "quatro vezes vinte mais dez", como gostava de dizer, manteve o sorriso de felicidade e citava o refrão do fado que o celebrizou: "Valeu a pena".

Nos últimos anos, o ritmo de trabalho deixou de ser tão frenético e praticamente já não saia de casa, no bairro de São Miguel, em Lisboa. Quase se desligou do atletismo e teve tempo para voltar a ouvir música, como fado, de que era talentoso cultor. Um dos seus sucessos é o "Valeu a pena", que Maria da Fé celebrizou.

"Sempre fiz o que gosto com muita felicidade", assegurava aquele que Manuel Sérgio chamou de "maior treinador de todos os tempos". E o caso não é para menos: 'fez' oito campeões de nível mundial e olímpico, a começar pelo lendário Carlos Lopes.

Moniz Pereira foi a referência do atletismo nacional no pós-guerra, especialmente depois do 25 de Abril. Sempre ao serviço do Sporting, de que era sócio número 2, e muitas vezes com a 'camisola das quinas'. Mas, fazendo da defesa do atletismo uma constante, próxima da intransigência.

Licenciado em Educação Física pelo Instituto Nacional de Educação Física de Lisboa, foi professor durante 27 anos.

Desde muito jovem mostrou dedicação e interesse pelo desporto - foi praticante de andebol, basquetebol, futebol, hóquei em patins, ténis de mesa, voleibol e atletismo.

Como treinador, assumiu desde cedo a meta da medalha olímpica: "O meu objetivo é um dia ter um atleta treinado por mim que vá aos Jogos Olímpicos e ganhe a medalha de ouro", respondeu a quem lhe fez a pergunta, quando acabou o curso de professor de educação física, em 1945. Viu essa ambição concretizada com a medalha de Carlos Lopes em Los Angeles, em 1984.

Conseguiu para os seus atletas a dispensa de meio dia de trabalho e isso foi o arranque para uma verdadeira "avalanche" de sucessos, com destaque para os títulos olímpicos e os recordes mundiais.

Duro e exigente no dia-a-dia, a ponto de ganhar fama de obstinado e fanático, era venerado por quase todos que com ele trabalharam.

Uma coisa não se lhe podia negar: o empenho militante com que defendia os interesses da modalidade, em contraposição com o futebol.

Portugal vive numa "ditadura futebolística", dizia para quem o quisesse ouvir... ele que até foi preparador físico da seleção nacional e muitas vezes era visto na tribuna da direção 'leonina', a assistir a jogos do 'desporto-rei'.

Irónico, mordaz, espírito vivo, apadrinhou iniciativas como a Associação de Amizade Portugal-Portugal, uma humorada 'resposta' às associações de amizade que proliferaram a seguir à 'revolução dos cravos'.

O comando direto do atletismo do Sporting deixou-o após Barcelona"92. Mas o 'senhor atletismo' - como já era chamado - não esqueceu a sua velha paixão. No seu gabinete na sede do 'leão' continuava a preencher os seus caderninhos de registo de resultados, instrumento de trabalho inseparável desde há décadas. E a seguir tudo o que se passava na modalidade.

De vez em quando, descia à pista, afastava com diplomacia o treinador e dava o treino, cronómetro na mão, como nos velhos tempos. E nos bastidores, tudo passava por ele e analisava ao pormenor os adversários do Sporting, decidindo em última instância quem competia.

Quando já lhe faltavam as forças para ir até ao estádio, teve o prazer de ver o atletismo do seu clube de sempre ser assumido por um dos seus discípulos principais - Carlos Lopes, com que conquistou duas medalhas olímpicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.