Leão soma três pontos mesmo em tempo de guerra

Crise não entrou no relvado de Alvalade, onde o Sporting bateu o Paços de Ferreira. Abraço coletivo nos festejos dos golos

Em tempo guerra interna entre jogadores e presidente, a equipa do Sporting deixou a crise fora das quatro linhas e conquistou três pontos que lhe permitem voltar a distanciar-se do Sporting de Braga - que na véspera empatou (2-2) em Santa Maria da Feira - e manter a distância pontual para os dois da frente, Benfica e FC Porto, que medem forças na próxima jornada do campeonato.

Apesar da situação que atravessa, a formação leonina não deu sinais de instabilidade ou intranquilidade nem de raiva ou galvanização, apontando uma exibição na linha do que têm sido as últimas em casa para o campeonato: sem nota artística mas com a conquista dos três pontos.

Numa noite de forte chuva e vento e perante um Paços de Ferreira que não perdia há três jogos - série que começou com vitória sobre o FC Porto na Capital do Móvel - e que tinha marcado nas quatro anteriores visitas a Alvalade, os homens de verde e branco sentiram dificuldades para exercer algum domínio sobre o adversário nos minutos iniciais.

Bas Dost iguala Jardel

A partir do primeiro quarto de hora, porém, o Sporting conseguiu encontrar a fórmula para penetrar no último terço, sempre com Bruno Fernandes envolvido na definição dos lances. Do pé direito do internacional português partiu um cruzamento que por centímetros não encontrou o desvio de Bas Dost (18") e da cabeça do ex--Sampdoria surgiu a assistência para o golo inaugural, da autoria do holandês, também através de um cabeceamento (20"), na sequência de um cruzamento de Bryan Ruiz pelo corredor esquerdo. O antigo avançado do Wolfsburgo igualou assim o brasileiro Mário Jardel no quarto lugar da tabela de melhores marcadores estrangeiros do clube, com 67 remates certeiros.

O golo teve o condão de serenar a formação da casa, que a partir de então assentou o seu jogo e chegou à baliza de Mário Felgueiras com mais frequência, embora sem conseguir dilatar a vantagem durante a primeira parte.

O segundo tempo foi o seguimento da etapa inicial, com os leões a procurarem um golo que lhes desse mais tranquilidade. Gelson Martins foi o primeiro a tentar, mas viu o seu remate ser sacudido pelo guardião pacense para canto (52"). Na sequência desse mesmo canto, Battaglia, Bryan Ruiz e Coates encontraram a oposição do guarda-redes adversário. Se o primeiro golo apareceu aos 20 minutos da primeira parte, o segundo foi aos 20 minutos da segunda, em mais um lance que contou com a participação de Bruno Fernandes, o médio sportinguista desmarcou Gelson Martins, que por sua vez serviu Bryan Ruiz, que atirou para o fundo das redes e sentenciou o jogo, deixando os leões mais tranquilos e os pacenses impotentes, até porque a partir dos 82" o guardião Mário Felgueiras saiu lesionado quando os pacenses já tinham feito as três alterações - foi o central Rui Correia para a baliza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.