José Maria Ricciardi retira apoio a Bruno de Carvalho

Banqueiro anunciou que vai demitir-se do Conselho Leonino e diz que o clube precisa de voltar à normalidade institucional

Para José Maria Ricciardi, chegou mesmo o fim de linha para Bruno de Carvalho no Sporting. O banqueiro, e conhecido adepto leonino, afirmou ao jornal Record que retira o apoio ao atual presidente e que vai demitir-se do Conselho Leonino, para o qual foi eleito nas listas de Bruno de Carvalho.

"Regressado dos Estados Unidos e perante os acontecimentos mais recentes e a evolução entretanto verificada no Sporting, deixam de estar reunidas as condições para me manter nos órgãos sociais", referiu José Maria Ricciardi, assumindo que é por isso "hora de retirar o apoio ao presidente do Sporting, dr. Bruno de Carvalho".

O banqueiro, que tem sido ao longo dos últimos anos um apoio importante na relação do clube com a Banca, diz que o Sporting "precisa de regressar com a maior urgência a uma normalidade institucional".

Ricciardi não entende como é que foi possível o presidente abrir um conflito institucional com os jogadores, "o ativo mais valioso que o clube tem, a seguir aos sócios", e considera que esse foi um ponto de não retorno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.