José Maria Ricciardi: "Gosto muito de Figo mas não estamos em eleições"

Declarações do antigo jogador, a manifestar vontade em candidatar-se provocaram espanto. É a primeira vez que deixa a porta aberta a liderar o clube onde se formou

Há nove anos que Luís Figo deixou de jogar futebol e, nesse período, sempre afastou, de uma forma taxativa, qualquer possibilidade de ser presidente do Sporting, clube onde se formou e de onde saiu para o Barcelona em 1995. Até ontem...

Convidado a dizer se, neste momento, existe alguma hipótese de tentar ser presidente do Sporting, o antigo futebolista de Barcelona e Real Madrid, Luís Figo acabou por surpreender. "É uma situação bastante importante dar um passo para se ser candidato. Logicamente nunca coloquei de lado essa situação, tal como nunca pensei fazê-lo. Tomo decisões conscientes que tenho conhecimento daquilo que está a ocorrer. Nunca me coloquei de lado, mas tenho de ter a confiança e o conhecimento necessário para poder ser válido em qualquer projeto", referiu o antigo capitão da selecção nacional no âmbito de uma iniciativa entre a sua fundação e o canal televisivo Cartoon Network.

Esta disponibilidade acabou por espantar personalidades afectas ao clube, com quem o DN falou sem que tenham mostrado vontade em dar a cara. José Maria Ricciardi, que em 2013 reuniu com Figo nos Alpes franceses, foi peremptório quando convidado pelo DN a comentar as afirmações do antigo praticante. "Gosto muito do Luís Figo, mas não estamos em período eleitoral. Só farei considerações quando entrarmos num período eleitoral. Também tenho consideração por outras pessoas que manifestaram vontade em avançar, mas não vou tecer qualquer comentário, porque não estamos em período eleitoral", referiu ao DN.

Voltando ao início, desde que deixou de jogar que Luís Figo, volta e meia, é apontado como candidato à presidência leonina.

Em 2013 não podia ser mais claro: "Tendo em consideração as últimas notícias, ligando o meu nome a uma candidatura à presidência do Sporting Clube de Portugal, esclareço que é totalmente falso que me vá candidatar às próximas eleições (...) neste momento da minha vida, a minha única prioridade é a minha família."

A situação repetiu-se em dezembro de 2016 deixando elogios a Bruno de Carvalho: "Como adepto e sócio tenho de apoiar o presidente que está no activo, que tem tentado tudo o que é possível para que o clube volte ao rumo que deve ter, que são as vitórias. Os meus projectos não passam muito por essa possibilidade [candidatura] e neste momento o Sporting tem um presidente."

Há dois meses voltaram a surgir rumores de que Luís Figo podia equacionar ser candidato, mas acabaria por ser o próprio a desmentir essa informação. Inclusivamente, falava-se que por trás de Figo estaria a Holdimo, empresa de Álvaro Sobrinho que tem 28,9% do capital social da SAD verde e branca. Na altura Luís Figo garantiu que a notícia não tinha "qualquer fundamento".

Ao que o DN apurou, a Holdimo nada terá a ver com esta manifesta disponibilidade de Luís Figo. Contudo, ninguém parece indiferente à vontade do homem que se formou em Alvalade e, verdade seja dita, nunca foi uma personalidade consensual entre os adeptos leoninos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).