Jesus guardou os ases mas foi o Barça a limpar a mesa

Sporting perdeu em Barcelona e segue para a Liga Europa. O treinador dos leões arriscou tudo na segunda parte, mas os catalães chegaram ao triunfo sem esforço aparente

O Sporting foi ontem derrotado em Camp Nou pelo Barcelona, por 2-0, e confirmou o destino que já parecia traçado à partida: segue para a Liga Europa, até porque a Juventus ganhou na Grécia ao Olympiacos, pelo que nem o milagre de um triunfo na Catalunha iria permitir a continuidade da equipa de Jorge Jesus na Liga dos Campeões.

O treinador do Sporting surpreendeu na abordagem a este jogo, deixando no banco de suplentes Fábio Coentrão, Gelson Martins e Bas Dost, os três ases que seriam a aposta derradeira para tentar surpreender o Barcelona, que também rodou meia equipa e até começou a partida sem Messi. Os leões apresentaram-se com um sistema de três centrais, com Piccini a fazer companhia a Coates e Mathieu, enquanto Ristovski apareceu como lateral direito e Acuña como defesa-esquerdo.

O certo é que o Sporting demorou cerca de meia hora para acertar as marcações e assentar o seu jogo, dado que os jogadores não conseguiam sair para o ataque, pois eram raras as vezes que conseguiam fazer três passes consecutivos. Disso se aproveitou o Barcelona que, com o seu futebol de pé para pé e com uma pressão muito alta, empurrava os leões para o seu meio-campo. Nessa altura, sobressaiu Piccini, um autêntico pronto-socorro dos leões, com alguns cortes preciosos.

Ainda assim, só aos 24 minutos é que Rui Patrício foi colocado à prova com um remate do uruguaio Luis Suárez, que procurava o primeiro golo na Champions esta época. Foi praticamente a partir desse momento que o Sporting se soltou, passando a ligar melhor o jogo, sobretudo graças ao talento individual de Bruno Fernandes que, no entanto, não tinha seguimento porque Alan Ruiz, sozinho na frente, não conseguia segurar a bola e foi facilmente anulado pelos centrais catalães.

O intervalo chegou com um Barça com o controlo, sem esforço aparente, de um jogo em que escassearam as oportunidades e na qual o Sporting precisava urgentemente dos seus ases para ser uma ameaça.

E o certo é que Ristovski e Alan Ruiz ficaram no balneário e para os seus lugares entraram Gelson Martins e Bas Dost. E o resultado foi imediato: o Sporting passou a jogar no campo todo, colocando mais problemas ao Barcelona. Só que num canto cobrado por Denis Suárez, Paco Alcácer desviou de cabeça para o primeiro golo. Face aos ases do Sporting, o Barça limpava a mesa. Era um duro golpe para o Sporting, que há muito sabia que a Juventus estava a vencer na Grécia.

Na resposta, já com Messi em campo, Bas Dost rematou na pequena área contra Cillessen e o Sporting perdia a grande oportunidade para empatar. Os leões tinham em Gelson o seu acelerador de jogo, embora tenha pecado várias vezes no momento de fazer o passe, o que até colocou a equipa em perigo face aos contra-ataques apoiados do Barça. Já perto do fim Rui Patrício ainda brilhou num remate de Messi, mas nada pode fazer quando Mathieu estragou uma boa exibição neste regresso ao Camp Nou com um autogolo, quando tentava evitar que o cruzamento de Denis Suárez chegasse a Paco Alcácer.

Terminou como de costume a carreira do Sporting na Champions, pois em 8 presenças na fase de grupos só uma vez se apurou. Contudo, com um grupo onde estavam Barcelona e Juventus este era o desfecho previsível. Ao menos, a equipa de Jesus cumpriu o objetivo mínimo e segue para a Liga Europa.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.