Jesus guardou os ases mas foi o Barça a limpar a mesa

Sporting perdeu em Barcelona e segue para a Liga Europa. O treinador dos leões arriscou tudo na segunda parte, mas os catalães chegaram ao triunfo sem esforço aparente

O Sporting foi ontem derrotado em Camp Nou pelo Barcelona, por 2-0, e confirmou o destino que já parecia traçado à partida: segue para a Liga Europa, até porque a Juventus ganhou na Grécia ao Olympiacos, pelo que nem o milagre de um triunfo na Catalunha iria permitir a continuidade da equipa de Jorge Jesus na Liga dos Campeões.

O treinador do Sporting surpreendeu na abordagem a este jogo, deixando no banco de suplentes Fábio Coentrão, Gelson Martins e Bas Dost, os três ases que seriam a aposta derradeira para tentar surpreender o Barcelona, que também rodou meia equipa e até começou a partida sem Messi. Os leões apresentaram-se com um sistema de três centrais, com Piccini a fazer companhia a Coates e Mathieu, enquanto Ristovski apareceu como lateral direito e Acuña como defesa-esquerdo.

O certo é que o Sporting demorou cerca de meia hora para acertar as marcações e assentar o seu jogo, dado que os jogadores não conseguiam sair para o ataque, pois eram raras as vezes que conseguiam fazer três passes consecutivos. Disso se aproveitou o Barcelona que, com o seu futebol de pé para pé e com uma pressão muito alta, empurrava os leões para o seu meio-campo. Nessa altura, sobressaiu Piccini, um autêntico pronto-socorro dos leões, com alguns cortes preciosos.

Ainda assim, só aos 24 minutos é que Rui Patrício foi colocado à prova com um remate do uruguaio Luis Suárez, que procurava o primeiro golo na Champions esta época. Foi praticamente a partir desse momento que o Sporting se soltou, passando a ligar melhor o jogo, sobretudo graças ao talento individual de Bruno Fernandes que, no entanto, não tinha seguimento porque Alan Ruiz, sozinho na frente, não conseguia segurar a bola e foi facilmente anulado pelos centrais catalães.

O intervalo chegou com um Barça com o controlo, sem esforço aparente, de um jogo em que escassearam as oportunidades e na qual o Sporting precisava urgentemente dos seus ases para ser uma ameaça.

E o certo é que Ristovski e Alan Ruiz ficaram no balneário e para os seus lugares entraram Gelson Martins e Bas Dost. E o resultado foi imediato: o Sporting passou a jogar no campo todo, colocando mais problemas ao Barcelona. Só que num canto cobrado por Denis Suárez, Paco Alcácer desviou de cabeça para o primeiro golo. Face aos ases do Sporting, o Barça limpava a mesa. Era um duro golpe para o Sporting, que há muito sabia que a Juventus estava a vencer na Grécia.

Na resposta, já com Messi em campo, Bas Dost rematou na pequena área contra Cillessen e o Sporting perdia a grande oportunidade para empatar. Os leões tinham em Gelson o seu acelerador de jogo, embora tenha pecado várias vezes no momento de fazer o passe, o que até colocou a equipa em perigo face aos contra-ataques apoiados do Barça. Já perto do fim Rui Patrício ainda brilhou num remate de Messi, mas nada pode fazer quando Mathieu estragou uma boa exibição neste regresso ao Camp Nou com um autogolo, quando tentava evitar que o cruzamento de Denis Suárez chegasse a Paco Alcácer.

Terminou como de costume a carreira do Sporting na Champions, pois em 8 presenças na fase de grupos só uma vez se apurou. Contudo, com um grupo onde estavam Barcelona e Juventus este era o desfecho previsível. Ao menos, a equipa de Jesus cumpriu o objetivo mínimo e segue para a Liga Europa.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.