Jesus diz que vai "cumprir mais um ano de contrato"

Treinador está vinculado aos leões até 2019 e apela à união: "Já basta os nossos rivais... temos de estar todos juntos"

Jorge Jesus comentou ontem as hipóteses de renovar o contrato que o liga ao Sporting até junho de 2019 ou a de abandonar o clube no final desta época. E deixou uma garantia, numa altura em que ainda parece existir um distanciamento entre a equipa de futebol e o presidente na sequência dos comentários de Bruno de Carvalho no Facebook contra alguns jogadores e que provocaram um terramoto em Alvalade.

"Num clube, o presidente contrata o treinador e, se houver algum problema, despede-o. O treinador está sempre dependente do presidente. Como tenho mais um ano de contrato, vou cumprir mais um ano de contrato", assegurou o técnico amadorense de 63 anos.

Acerca da reunião de terça-feira com Bruno de Carvalho e a restante estrutura do futebol, o treinador dos leões disse que "tudo o que se passou fica dentro da estrutura" e que "são assuntos que só dizem respeito ao Sporting". "A relação com o presidente mantém-se dentro da normalidade. O que falei é que o Sporting precisa de paz e sossego para termos um final de época com muita tranquilidade. Já basta os nossos rivais... temos de estar todos juntos", disse.

Relativamente à partida desta noite (20.30, Sport TV1), Jorge Jesus minimizou o facto de o Portimonense ter a quarta pior defesa do campeonato - a par do V. Guimarães, com 54 golos sofridos -, preferindo salientar o poder de fogo dos algarvios. "Temos de olhar para o outro lado: é o quinto melhor ataque [46 golos] e uma equipa bem trabalhada em termos técnico-táticos. O Vítor Oliveira tem feito um bom trabalho, com muito mérito e vai deixar a equipa na I Liga", atirou, à espera de "um jogo difícil", em que quer ver "apresentadas" as ideias que têm vindo a ser trabalhadas, sabendo que vai voltar a estar privado de Mathieu e William. Questionado sobre a posição em que Bruno Fernandes pode ter um melhor desempenho, se como segundo médio ou médio ofensivo, Jesus teceu rasgados elogios ao internacional português. "Ele tem tanta qualidade que põe um treinador a pensar nas duas formas. Tem sempre um bom desempenho nas duas posições. Além da qualidade técnica, tem uma qualidade tática impressionante para a idade dele. Na minha opinião, é o médio mais valioso do campeonato português", referiu o treinador do Sporting acerca do jogador contratado no verão à Sampdoria.

Por sua vez, Vítor Oliveira prometeu um Portimonense a "tentar dificultar o favoritismo que é atribuído, com legitimidade, ao Sporting, que está a fazer uma parte final do campeonato muito boa". O técnico algarvio acrescentou que o desafio de hoje "será uma espécie de tira-teimas, depois de uma prestação muito má com o FC Porto e de uma muito boa com o Benfica, apesar da derrota, pretendendo o Portimonense voltar ao desempenho muito bom com conquista de pontos".

"O ambiente no grupo é bom, com muito otimismo e de querer provocar uma surpresa e de poder ter influência na decisão do campeonato", acrescentou o técnico dos algarvios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.