Inácio fica no Sporting como diretor de relações internacionais

Leões emitiram comunicado em que anunciam a aguardada saída de Inácio da direção de futebol e revelam que o dirigente foi envolvido na escolha de Jorge Jesus, com quem não tem relações.

O Sporting anunciou esta quarta-feira, em comunicado, que Augusto Inácio, que desempenhava o cargo de diretor do futebol dos 'leões', passará a dirigir as relações internacionais do clube de Alvalade.

"Chegou o momento oportuno de Inácio abraçar este novo desafio (...) as Relações Internacionais do Sporting Clube de Portugal no que diz respeito à prospeção, desenvolvimento e operacionalização de protocolos com clubes estrangeiros, sobretudo na área da cooperação técnica", refere o comunicado do Sporting.

A mesma nota lembra que Augusto Inácio foi "figura preponderante" na estrutura desportiva para o futebol e "auxiliou na ponderação da hipótese da contratação" do treinador Jorge Jesus.

"Fê-lo com o habitual e conhecido sentido de missão e dedicação ao clube. O mesmo clube que, ao longo da época desportiva, planeou com Augusto Inácio a temporada desportiva que agora se avizinha", frisa o mesmo comunicado.

Com as novas funções atribuídas a Augusto Inácio, o Sporting considera que "o clube fica reforçado numa área por onde passa grande parte" do seu futuro.

Relembre-se que Inácio e Jesus mantém um historial de más relações desde que o atual treinador do Sporting sucedeu ao dirigente no comando técnico do Felgueiras na década de 90 do século passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.