Governo garante segurança na final da Taça de Portugal

Executivo repudia violência e faz "análise de risco" ao jogo

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto afirmou ontem, numa declaração conjunta com a secretária de Estado adjunta e da Administração Interna, que, no domingo, na final da Taça de Portugal todos devem demonstrar que o "futebol é igual a orgulho nacional", garantindo assim que o jogo se vai realizar.

João Paulo Rebelo foi contundente com os acontecimentos de ontem na Academia do Sporting: "Há um repúdio veemente para com os atos de violência e vandalismo criminosos como os que ocorreram nesta tarde. Quero mostrar solidariedade para com os jogadores, os técnicos e quem foi agredido." Na mesma conferência de imprensa, no Ministério da Administração Interna, a secretária de Estado Isabel Oneto também garantiu que vão ser "tomadas medidas para que o jogo decorra com segurança", referindo-se ao jogo de domingo da final da Taça de Portugal entre o Sporting e o Desportivo das Aves.

A responsável governamental confirmou a detenção de 21 pessoas presumivelmente envolvidas nas agressões e "a apreensão de viaturas e objetos de agressão". "Juntámos forças de segurança para tomarem conta da ocorrência e darem a resposta adequada. Continuamos a trabalhar no sentido de esclarecer esta situação e para que não volte a acontecer", disse Isabel Oneto, que acrescentou que "estão a ser identificados como adeptos".

"Estamos a poucos dias da final da Taça de Portugal e o governo está, juntamente com a Federação Portuguesa de Futebol, a criar todas as condições para que se viva a festa do futebol, do desporto, o convívio das famílias e dos verdadeiros adeptos do futebol e do desporto. É uma missão do governo mas que deve ser assumida por todos. No domingo tem de haver uma demonstração clara de que o futebol é um orgulho nacional", reforçou por sua vez o secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

Isabel Oneto admitiu que, tratando-se de membros do clube, possam ser tomadas medidas de coação que evitem a repetição deste tipo de incidentes e confirmou que está a ser feita a "análise de risco" do jogo de domingo.

Recusando comentar o eventual envolvimento de claques do clube neste ataque aos jogadores, Isabel Oneto referiu que é preciso "olhar para o fenómeno e dar a resposta adequada e necessária" para evitar este tipo de violência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.