Godinho Lopes vence eleições em noite de violência

Godinho Lopes venceu as eleições para a presidência do Sporting por 36,55% dos votos. Bruno de Carvalho ficou em segundo com 36,15%.

Godinho Lopes foi eleito esta madrugada presidente do Sporting Clube de Portugal por uma curta margem para o segundo classificado, Bruno de Carvalho. Assim, a Lista A, de Godinho Lopes, venceu por 36,55% (33.275 votos) e a Lista C, de Bruno de Carvalho, ficou em segundo lugar com 36,15% (32.915 votos).

Num universo de mais de 14.000 eleitores e de cerca de 88.000 votos expressos, no terceiro lugar da corrida à sucessão de José Eduardo Bettencourt, que se demitiu em 15 de Janeiro, ficou a Lista D, de José Dias Ferreira, com 16,54%, seguida da B, de Pedro Baltazar, com 8,80%, e da E, de Sérgio Abrantes Mendes, com 1,95%.

Esta curta margem entre os dois primeiros deu origem a grande confusão durante a madrugada, tendo primeiramente sido anunciada a vitória de Bruno de Carvalho (por uma margem de apenas 600 votos em relação a Godinho Lopes) e mais tarde, após uma recontagem, veio a apurar-se finalmente a vitória da Lista A, de Godinho Lopes.

Este facto provocou grande agitação entre os muitos adeptos que se dirigiram a Alvalade e chegou a haver confrontos entre apoiantes das duas listas. O próprio presidente eleito, Godinho Lopes, veio a ser alvo de uma tentativa de agressão à saída do estádio, tendo de ser escoltado pelas forças de segurança presentes.

Após uma intervenção de Bruno de Carvalho, que apelou à calma, os ânimos serenaram finalmente e foi então conhecido o novo presidente do clube.

Para presidente da Mesa da Assembleia Geral foi eleito Eduardo Barroso, par presidente do Conselho Fiscal João Melo Franco e Eduardo Catroga ficou à frente do Conselho Leonino.

Godinho Lopes apelou à união

Eram já seis e dez da manhã quando Godinho Lopes se assumiu como vencedor do Sporting e o novo presidente do clube leonino.

O novo líder dos leões começou por dirigir a palavra aos adversários e depois aos sócios. "Muitas vezes, no calor das conversas, podemos ter sido demasiado duros em algumas afirmações feitas a outros candidatos, mas neste momento, depois de ter ganho estas eleições, gostaria que todos os candidatos se juntassem para que o Sporting possa atingir o topo que bem merece", pediu Godinho Lopes aos restantes adversários derrotados, Bruno de Carvalho, Dias Ferreira, Pedro Baltazar e Abrantes Mendes. "Espero que compreendam. Desejo tê-los comigo, juntos, para em conjunto servir o Sporting", frisou.

A segunda palavra foi para os sócios que o elegeram. "Agradeço o apoio", afirmou, para depois alargar os elogios a todos os adeptos leoninos. "A partir de hoje sou presidente de todos os sócios do Sporting e não só dos que me elegeram. Espero merecer a confiança. Espero poder levar o Sporting ao topo. Podem contar com esta grande equipa, a partir de hoje, segunda-feira, estamos ao serviço deste grande clube. Juntos vamos conseguir reposicionar o Sporting, para que todos nos possamos orgulhar deste clube centenário".

Godinho Lopes quis dirigir ainda uma palavra especial ao professor Moniz Pereira, "património do clube", e mandatário da candidatura, pelos "ensinamentos transmitidos", hoje ligar-lhe-á a agradecer.

Por fim, dois últimos agradecimentos do vencedor. Um a Rogério Alves, o seu candidato derrotado para liderar à Assembleia Geral (entregue a Eduardo Barroso, da lista C). E por fim, ao "apoio de toda a família".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.