Godinho Lopes mantém toda a confiança em Domingos

Presidente desvaloriza insultos à chegada a Lisboa, confessa insatisfação com os resultados mas não equaciona despedir o treinador. E ainda pisca o olho aos adeptos... convidando-os subtilmente a entrar no capital da SAD

O presidente do Sporting, Godinho Lopes, garantiu neste domingo que o lugar de treinador de Domingos Paciência "não esta em causa", apesar dos fracos resultados da equipa nesta época futebolística.

"[A saída de Domingos Paciência] É uma questão que não faz sentido. Os resultados do clube não satisfazem, mas a equipa [técnica] que dirige o Sporting é outra coisa", sublinhou Godinho Lopes, admitindo que "há ainda um longo caminho a percorrer".

O presidente do Sporting, que falava aos jornalistas à margem de um colóquio sobre violência no desporto, colocou desta forma de parte a possibilidade de Domingos Paciência abandonar o clube, numa altura em que alguns adeptos têm contestado a equipa.

Depois da derrota de sábado com o Marítimo (2-0), no Funchal, o Sporting foi apanhado pelos madeirenses no quarto lugar, já a distantes oito pontos do terceiro lugar, que dá acesso à pré-eliminatória de apuramento à Liga dos Campeões.

Na chegada a Lisboa, a equipa leonina foi vaiada por alguns adeptos que esperaram a comitiva, situação desvalorizada por Godinho Lopes.

"Tivemos duas receções depois do jogo com o Marítimo. Uma na Madeira, à saída do estádio, com adeptos a aplaudir e a incentivar a equipa, e outra na chegada ao nosso estádio. Dou tanto valor a uma como a outra" realçou.

Godinho Lopes aproveitou para anunciar que o clube apresentará na próxima semana um novo produto financeiro, que pretendo motivar o envolvimento dos adeptos no projeto do Sporting, na sequência da auditoria que diagnosticou a falência técnica do clube.

"Depois do resultado da auditoria era interessante lançar um produto que envolvesse os adeptos no projeto do Sporting. Desta forma, os adeptos serão convidados a participar no capital da SAD", explicou Godinho Lopes sobre o novo produto, designado "Investir na Paixão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.