Godinho Lopes: "Eduardo Barroso comporta-se como um adepto"

Godinho Lopes assume "regime presidencialista" no Sporting, como no FC Porto e Benfica e critica comentaristas "que vivem à conta" do Sporting . "A orientação será de dentro para fora. Eu vou dizer [aos sócios] o que efectivamente o que se passa."

Godinho Lopes responde, a Fátima de Campos Ferreira no programa 'Última palavra' da RTP Informação, aos ataques dos "comentarista" leoninos: "Somos diariamente escrutinados na comunicação social por uma série de comentaristas que vivem à conta do Sporting. Não representam o Sporting. Não foram indicados mas acham que estão nesses programas para omitir as suas opiniões defendendo os seus próprios interesses e não o Sporting. Mas agora a orientação será de dentro para fora. Eu vou dizer o que efectivamente o que se passa."

Em outro momento, acrescenta: "Com tanta gente a falar todos os dias. Com tanta gente a dizer mal do Sporting. A dizer que o Sporting é um clube falhado quando está em causa o futuro do Sporting. Quem é que quer investir no Sporting? Os sportinguistas tem de ser mais responsáveis."

A jornalista provoca: "Está a falar de quem lhe dá abraços nas vitórias e facadas nas derrotas?"

"Toda a gente fala do Sporting mas quem é que trabalha para o Sporting. entra às oito da manha e sai à noite. Quem é que põem tudo ao serviço do Sporting.

A família sportinguista sabe bem tudo o que se passou há 18 meses. com um acto eleitoral complicado. com várias listas. Hoje há uma boa relação entre a direção e a assembleia geral e o Sporting."

O dirigente do Sporting especifica:

"O doutor Eduardo Barroso por vezes comporta-se como um adepto e é importante que perceba que de facto é presidente da assembleia geral. A nossa relação com a mesa da assembleia geral tem sido fantástica. Tanto que é assim que é a primeira vez abrimos as portas do conselho directivo para discutir e apresentar os problemas."

Mas as criticas ao estilo da presidência de Godinho Lopes continua: "Há democracia [no Sporting] mas na hora de decisão dá orientações contraditórias...

Godinho Lopes acusa o toque e responde: "Por isso é que saíram várias pessoas e eu continuo cá.

O Sporting é um clube não é um empresa. Temos de respeitar os sócios e e fazer as coisas no momento certo."

"Tem mesmo jeito para estas coisas do futebol?", continua provocadora, Fátima de Campos Ferreira

"Sim porque faço aquilo que gosto. Mas tenho competência nesta área. tenho e saber em cada momento o que é importante para o clube e não por recados da comunicação social.

"Não teme perder umas eleições?", questiona a jornalista.

"Não. Sempre defendi que o primeiro ano seria para aproximação do Sporting aos adeptos. No segundo ano apostava na reestruturação. E no terceiro ano é a necessidade absoluta de começar a ganhar. sempre disse isso. Este ano temos de passar para a reestruturarão financeira. Não podemos pagar um quarto daquilo que se vende em encargos financeiros. Ainda assim temos os ordenados em dia."

O presidente dos leões assume: "Quando dizem que tenho um comportamento errático, respondo que irei redefinir a minha estratégia. Com tanta gente a falar lá foram tive de criar condições de sustentabilidade.

Vou assumir directamente o futebol."

A jornalista questiona o dirigente: "um regime presidencialistas?

"É verdade.[como Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira]

No contexto do Sporting. A minha voz tem-se feito sentir . As pessoas tem saído e eu tenho ficado.Seria incapaz de me demitir. Isto com estratégia com determinação. Assumindo o Futebol profissional onde a formação é fundamental."

Ler mais

Exclusivos