Geraldes detido por suspeitas de corrupção também no futebol

PJ fez buscas na SAD do Sporting e deteve quatro suspeitos, um deles o braço direito de Bruno de Carvalho. Em causa está o alegado pagamento a jogadores adversários

O Sporting está a ser investigado por suspeitas de um alegado esquema de corrupção no andebol mas também no futebol profissional, o denominado caso CashBall. Nesse sentido foram realizadas ontem buscas na SAD do clube. Segundo o JN, a Polícia Judiciária (PJ) está a investigar os jogos desta temporada que os leões realizaram contra V. Guimarães, Feirense, Desp. Chaves, Tondela, Desp. Aves e Estoril, havendo suspeitas de que alguns jogadores dessas equipas tenham sido pagos para facilitar as vitórias dos leões.

As buscas à SAD leonina, em Alvalade, iniciaram-se ontem, cerca das 09.00, tendo as autoridades detido quatro pessoas, por suspeita de corrupção ativa, que foram transportadas para o Porto, onde foram ouvidas na instalações da PJ (até à hora do fecho desta edição não eram conhecidas as medidas de coação). Um deles é André Geraldes, team manager dos leões e braço direito do presidente Bruno de Carvalho para o futebol, que alegadamente seria o mentor de todo o esquema. Os outros suspeitos são Gonçalo Rodrigues, responsável pelo Gabinete de Apoio ao Atleta e às Modalidades Profissionais do Sporting, que já suspendeu as suas funções, e os empresários João Gonçalves e Paulo Silva.

Este último terá sido quem denunciou a situação às autoridades, por alegadamente estar arrependido, tendo ainda, segundo o JN, entregado no Departamento de Investigação e Ação Penal do Ministério Público do Porto telefones móveis com mensagens escritas e áudio trocadas com os outros suspeitos via WhatsApp, uma aplicação de comunicações encriptadas, nas quais eram combinadas as alegadas atividades junto dos alegados jogadores corrompidos.

Um dos atletas em causa é João Aurélio, defesa do V. Guimarães, a quem o Sindicato dos Jogadores já manifestou "apoio". O defesa de 29 anos teria sido corrompido para facilitar no jogo entre os vimaranenses e o Sporting, no Estádio D. Afonso Henriques, que terminou com a vitória dos leões por 5-0. Mas até à hora do fecho desta edição o jogador não tinha sido ouvido. Os valores envolvidos no alegado aliciamento de futebolistas terão atingido os 12 500 euros. A edição online do Expresso avançava que entre os alegados jogadores aliciados está um atleta de uma equipa nortenha de nacionalidade brasileira e um guarda-redes.

A operação Cashball, dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto, envolveu 40 elementos da PJ e incluiu uma dezena de buscas domiciliárias, além das feitas à SAD leonina no Estádio José Alvalade.

Liga é assistente no processo

O Sporting emitiu um comunicado ontem a meio da tarde a confirmar as buscas nas suas instalações e a detenção de "dois colaboradores", acrescentando que "confia na justiça" e que "prestou e prestará toda a colaboração necessária ao apuramento da verdade".

A Liga Portugal anunciou, também em comunicado, que se constituirá assistente neste processo. "A exemplo daquilo que ocorreu, em situações análogas nas três últimas épocas desportivas, este organismo ir-se-á constituir assistente no processo judicial instaurado", refere a nota. A Liga irá aguardar "pela atuação dos órgãos de Polícia Criminal e da disciplina desportiva", entidades a que pedem "celeridade". Depois de lembrar que "todos se presumem inocentes até decisão condenatória transitada em julgado", a Liga garante que não compactuará "com a impunidade daqueles que, de forma leviana, coloquem em causa a integridade das competições profissionais".

O V. Guimarães, que viu o seu nome envolvido neste alegado esquema, repudiou o eventual ato de corrupção no jogo com o Sporting, tendo manifestado "surpresa e estupefação" e exigindo "uma rápida, enérgica e eficiente intervenção dos órgãos judiciais competentes", mostrando-se "totalmente ao dispor para o que venha a ser entendido como necessário", pois considera-se como "principal interessado no apuramento da verdade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.