"É o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma ser"

Pedro Madeira Rodrigues, ex-candidato à presidência do Sporting, responde ao líder do clube e defende a realização de uma auditoria

Pedro Madeira Rodrigues, ex-candidato à presidência do Sporting, respondeu esta quinta-feira, através de um comunicado enviado às redações, aos ataques de que foi alvo por parte do presidente Bruno de Carvalho.

Nessa nota, questiona o líder leonino sobre a razão "do medo de uma auditoria que mostre de forma clara, transparente e independente que ele não se aproveitou do Sporting para fazer dinheiro", acrescentando que este "é o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma se", nomeadamente em relação às "dúvidas sobre o caso Tanaka".

"Será que temos Homem ou será que temos uma qualquer outra coisa que se esconde atrás das cortinas de fumo das ofensas pessoais?", questionou Pedro Madeira Rodrigues, que fala em "vergonha alheia" quando se refere àquilo que diz ser as "já famosas inverdades e "inconseguimentos" digitais".

Eis o comunicado de Pedro Madeira Rodrigues na íntegra:

"De que tem medo Bruno de Carvalho?
Acabei de ler a missiva vergonhosa (mais uma) de Bruno de Carvalho escrita no seu Facebook, na qual este tem laivos de tentativa de resposta ao meu pedido de auditoria a casos concretos de transferências de jogadores (não confundir com a que estava no seu programa em 2013 que, por sinal, ainda está por fazer).
Depois de um interregno saudável, parece que para ter acesso a música... Bruno de Carvalho voltou às suas já famosas inverdades e "inconseguimentos" digitais, originando uma vergonha alheia a que nós, sócios e adeptos do Sporting, infelizmente já vamos estando habituados.
Mas vamos ao que importa verdadeiramente, vamos ao que de verdade interessa. De que tem medo Bruno de Carvalho? Qual a razão do medo de uma auditoria que mostre de forma clara, transparente e independente que ele não se aproveitou do Sporting para fazer dinheiro (para além do vencimento mais de dez vezes superior ao que auferia antes de chegar ao Sporting em contra-ponto comigo que abdiquei de valores semelhantes para me candidatar à Presidência do clube)?
Este é o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma ser. As dúvidas pairam sobre ele, sobre a sua seriedade e a sua honra depois da acusação da semana passada e da sua resposta inicial que ainda nos trouxe mais dúvidas sobre o caso Tanaka.
Referi publicamente dúvidas muito concretas, com os nomes dos jogadores envolvidos a serem ditos de forma clara (aquisições de Cissé; Tanaka; Bruno César e Alan Ruiz e a venda de Montero) e os negócios em causa a serem apontados sem medos. Não quererá Bruno de Carvalho ver-se livre de todas as suspeitas? Fica a dúvida, com Bruno de Carvalho fica sempre a dúvida, será que temos Homem ou será que temos uma qualquer outra coisa que se esconde atrás das cortinas de fumo das ofensas pessoais?
Bruno de Carvalho, ao invés me dirigir insultos, seria mais civilizado (estarei a exigir de mais?) e até inteligente se me agradecesse a oportunidade de esclarecer tudo e de mostrar aos Sportinguistas que quem não deve não teme. Bastava para isso abrir as portas da nossa casa, do nosso Clube a uma auditoria independente e especializada em detecção de fraudes e apenas nestes casos concretos.
Será que os Sportinguistas não têm o direito de saber o tipo de negócios que os nossos dirigentes fazem em nome do nosso clube? Será que Bruno de Carvalho não percebe que, e apesar de eu ter lutado para que tal não acontecesse, é ainda Presidente do Sporting Clube de Portugal e que uma suspeita sobre ele é uma suspeita sobre o nosso Clube?
Porque a minha palavra é só uma eu estarei onde sempre disse que ia estar, a deixar o presidente do Sporting a fazer o seu trabalho, mas também a acompanhar sempre de perto a vida do meu Clube, como nas minhas poucas intervenções públicas e na última Assembleia Geral. Que não haja ilusões, o deixar Bruno de Carvalho trabalhar não significa jamais que me demito de ser uma voz clara e forte em defesa do Sporting Clube de Portugal e não é com ameaças que me consegue calar.
Espero sinceramente que se faça a auditoria que peço para que possa ficar claro para todos que a primeira falha de Bruno de Carvalho não é a de caráter embora eu, como tantos outros Sportinguistas, tenhamos as nossas sérias dúvidas.
P.S Mais uma vez Bruno de Carvalho no citado post, pretende confundir-se com o Sporting e volta a tratar com desprezo os quais 2 mil sócios que votaram na minha lista, dividindo os sportinguistas entre os de 1ª e os de 2ª. Trata-se de um insulto a todos os níveis lamentável e indigno e revelador da falta de capacidade de liderança de Bruno de Carvalho e até de respeito pela história do nosso clube."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.