"É o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma ser"

Pedro Madeira Rodrigues, ex-candidato à presidência do Sporting, responde ao líder do clube e defende a realização de uma auditoria

Pedro Madeira Rodrigues, ex-candidato à presidência do Sporting, respondeu esta quinta-feira, através de um comunicado enviado às redações, aos ataques de que foi alvo por parte do presidente Bruno de Carvalho.

Nessa nota, questiona o líder leonino sobre a razão "do medo de uma auditoria que mostre de forma clara, transparente e independente que ele não se aproveitou do Sporting para fazer dinheiro", acrescentando que este "é o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma se", nomeadamente em relação às "dúvidas sobre o caso Tanaka".

"Será que temos Homem ou será que temos uma qualquer outra coisa que se esconde atrás das cortinas de fumo das ofensas pessoais?", questionou Pedro Madeira Rodrigues, que fala em "vergonha alheia" quando se refere àquilo que diz ser as "já famosas inverdades e "inconseguimentos" digitais".

Eis o comunicado de Pedro Madeira Rodrigues na íntegra:

"De que tem medo Bruno de Carvalho?
Acabei de ler a missiva vergonhosa (mais uma) de Bruno de Carvalho escrita no seu Facebook, na qual este tem laivos de tentativa de resposta ao meu pedido de auditoria a casos concretos de transferências de jogadores (não confundir com a que estava no seu programa em 2013 que, por sinal, ainda está por fazer).
Depois de um interregno saudável, parece que para ter acesso a música... Bruno de Carvalho voltou às suas já famosas inverdades e "inconseguimentos" digitais, originando uma vergonha alheia a que nós, sócios e adeptos do Sporting, infelizmente já vamos estando habituados.
Mas vamos ao que importa verdadeiramente, vamos ao que de verdade interessa. De que tem medo Bruno de Carvalho? Qual a razão do medo de uma auditoria que mostre de forma clara, transparente e independente que ele não se aproveitou do Sporting para fazer dinheiro (para além do vencimento mais de dez vezes superior ao que auferia antes de chegar ao Sporting em contra-ponto comigo que abdiquei de valores semelhantes para me candidatar à Presidência do clube)?
Este é o momento para Bruno de Carvalho mostrar a pessoa séria que afirma ser. As dúvidas pairam sobre ele, sobre a sua seriedade e a sua honra depois da acusação da semana passada e da sua resposta inicial que ainda nos trouxe mais dúvidas sobre o caso Tanaka.
Referi publicamente dúvidas muito concretas, com os nomes dos jogadores envolvidos a serem ditos de forma clara (aquisições de Cissé; Tanaka; Bruno César e Alan Ruiz e a venda de Montero) e os negócios em causa a serem apontados sem medos. Não quererá Bruno de Carvalho ver-se livre de todas as suspeitas? Fica a dúvida, com Bruno de Carvalho fica sempre a dúvida, será que temos Homem ou será que temos uma qualquer outra coisa que se esconde atrás das cortinas de fumo das ofensas pessoais?
Bruno de Carvalho, ao invés me dirigir insultos, seria mais civilizado (estarei a exigir de mais?) e até inteligente se me agradecesse a oportunidade de esclarecer tudo e de mostrar aos Sportinguistas que quem não deve não teme. Bastava para isso abrir as portas da nossa casa, do nosso Clube a uma auditoria independente e especializada em detecção de fraudes e apenas nestes casos concretos.
Será que os Sportinguistas não têm o direito de saber o tipo de negócios que os nossos dirigentes fazem em nome do nosso clube? Será que Bruno de Carvalho não percebe que, e apesar de eu ter lutado para que tal não acontecesse, é ainda Presidente do Sporting Clube de Portugal e que uma suspeita sobre ele é uma suspeita sobre o nosso Clube?
Porque a minha palavra é só uma eu estarei onde sempre disse que ia estar, a deixar o presidente do Sporting a fazer o seu trabalho, mas também a acompanhar sempre de perto a vida do meu Clube, como nas minhas poucas intervenções públicas e na última Assembleia Geral. Que não haja ilusões, o deixar Bruno de Carvalho trabalhar não significa jamais que me demito de ser uma voz clara e forte em defesa do Sporting Clube de Portugal e não é com ameaças que me consegue calar.
Espero sinceramente que se faça a auditoria que peço para que possa ficar claro para todos que a primeira falha de Bruno de Carvalho não é a de caráter embora eu, como tantos outros Sportinguistas, tenhamos as nossas sérias dúvidas.
P.S Mais uma vez Bruno de Carvalho no citado post, pretende confundir-se com o Sporting e volta a tratar com desprezo os quais 2 mil sócios que votaram na minha lista, dividindo os sportinguistas entre os de 1ª e os de 2ª. Trata-se de um insulto a todos os níveis lamentável e indigno e revelador da falta de capacidade de liderança de Bruno de Carvalho e até de respeito pela história do nosso clube."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.