Direção "muito unida" em torno de Bruno de Carvalho

Vice-presidente Vicente Moura elogiou presidente leonino durante visita às obras de construção do novo pavilhão João Rocha

O vice-presidente do Sporting Vicente Moura salientou esta quarta-feira que a direção 'leonina' "está muito unida" em torno do presidente, Bruno de Carvalho, num ano que espera ser de "êxitos desportivos nas várias modalidades".

"Esta direção está muito unida, muito apoiante do presidente Bruno de Carvalho. Esta direção está firme, coesa em torno do presidente. E sabe que este vai ser um ano de êxitos desportivos nas várias modalidades", disse Vicente Moura, à margem de uma visita às obras de construção do Pavilhão João Rocha, na qual participou também Bruno de Carvalho - sem prestar declarações.

Na ocasião, o vice-presidente responsável pelas modalidades do Sporting sublinhou que a obra, "um sonho de muitos anos dos sportinguistas", só pôde ser concretizada "após a estabilização financeira e o apoio dos sócios e simpatizantes".

"Isto é um sonho de muitos anos dos sportinguistas que se está a concretizar, que só foi possível porque a nossa direção presidida por Bruno de Carvalho fez um trabalho inicial de estabilização financeira do Sporting e a sua reestruturação, o que possibilitou encontrar meios financeiros para pagar esta obra que, como se sabe, vai custar 9,6 milhões de euros", afirmou.

Numa altura em que a direção sportinguista completa três anos de mandato, o vice-presidente 'leonino' destacou os sucessos alcançados.

"Tem sido um mandato muito trabalhoso porque foi necessário lidar com uma situação muito complicada, que era quase o caos financeiro e económico. Sem isso, nada era possível. Uma vez conseguido isso, as coisas começaram a concretizar-se. Esta direção tem estado muito unida em torno de Bruno de Carvalho, um homem que vive o Sporting 24 horas por dia, que concretiza", vincou.

Para Vicente Moura, esta direção "já trouxe para o Sporting uma série de sucessos" que estavam mente e que "não pareciam concretizáveis a curto prazo", apontando modalidades como o hóquei em patins ou o ciclismo.

No final da visita às obras, situadas nos terrenos do antigo Estádio José Alvalade, que hoje estarão abertas ao público, Vicente Moura antecipou que o pavilhão estará pronto em dezembro deste ano para que, após o necessário período de vistorias de várias entidades à infraestrutura, possa abrir portas dentro de um ano, em março de 2017.

A circunstância de a inauguração da obra coincidir com o termo de mandato da atual direção "é apenas uma coincidência", assegurou.

O Pavilhão João Rocha, em homenagem ao falecido presidente do Sporting, terá três mil lugares e "múltiplas valências", como explicou Horário Preto, responsável da empresa encarregada da fiscalização e coordenação do projeto.

No interior, o pavilhão terá um museu complementar ao já existente no Estádio Alvalade XXI, um restaurante e uma loja, contando no seu revestimento com tecnologia que permitirá a mudança da cor exterior do edifício.

O pavilhão, que vai poder acolher competições de andebol, basquetebol, futsal, hóquei em patins e voleibol, terá tabelas amovíveis para os jogos de hóquei em patins, marcadores eletrónicos em cada topo do recinto e um painel central em forma de cubo no teto do pavilhão onde poderão ser visionadas imagens.

A obra foi inicialmente adjudicada à empresa Somague, mas em maio de 2015 o clube de Alvalade rescindiu com a construtora, alegando incumprimento do previamente estabelecido relativamente ao valor da empreitada.

A construção do pavilhão foi posteriormente entregue à Ferreira Build Power, que se comprometeu a ter a obra concluída até ao final do ano de 2016, estando a inauguração do pavilhão prevista para março de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.