"Comissão de Gestão está proibida de entrar no clube"

Artur Torres Pereira foi anunciado por Jaime Marta Soares como líder da Comissão de Gestão, mas Bruno de Carvalho tomou posição de força em entrevista à SIC

Artur Torres Pereira, médico de 67 anos, antigo deputado do PSD na Assembleia da República e vice-presidente de Bruno de Carvalho no Sporting entre 2013 e 2017, vai liderar a Comissão de Gestão, anunciou ontem Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do clube, pouco depois das 20.00, durante uma conferência de imprensa que decorreu no Páteo Alfacinha, em Lisboa.

O órgão transitório de onze elementos, que substitui o Conselho Diretivo, que se encontra suspenso, vai também contar com a presença do antigo presidente leonino Sousa Cintra e de Luís Marques, António Sá Costa, Silvino Sequeira, Jorge Lopes, Alexandre Cavaleri, Rui António Moço, Pedro Reis, António Correia Rebelo e José Diogo Leitão. Santana Lopes e Eduardo Barroso, recorde-se, recusaram convites para integrar a lista.

Torres Pereira falou na qualidade de líder da Comissão de Gestão, prometeu "máxima responsabilidade" e apelou à "presença massiva na Assembleia Geral de dia 23". Porém, Bruno de Carvalho afirmou pouco depois, pelas 21.00, que não reconhece este novo órgão transitório. "Para mim e para os membros da direção, Jaime Marta Soares não é o presidente da MAG e esta Comissão de Gestão não existe", atirou, em entrevista ao Jornal da Noite, da SIC. "As pessoas que fazem parte dessa Comissão [de Gestão] estão proibidas de entrar nas instalações do Sporting", garantiu o líder do Conselho Diretivo, órgão que se encontra suspenso pela Comissão de Fiscalização.

Bruno de Carvalho reiterou que Jaime Marta Soares já não é presidente da MAG e que a Comissão de Fiscalização é ilegal. "Ao nível da lei, basta Marta Soares ir às televisões dizer que se demite para estar demitido. Nenhuma providência cautelar até agora disse que Marta Soares é o presidente da MAG", aditou, sentindo-se ainda presidente do Sporting. "Fui convidado [para a entrevista] em que condição?", interrogou. "Uma Comissão de Fiscalização só pode ser nomeada se cair a totalidade do órgão e se não aparecer uma lista candidata em eleições. É o que dizem os estatutos. O site do Sporting tem os estatutos errados, por incompetência da ex-MAG, devido a falhas na assinaturas dos seus membros", aditou, acusando o órgão de abuso de poder: "Tirar de sócios uma direção que há três meses foi legitimada por 90 por cento dos sócios não é um ato de gestão corrente."

Convite para Bruno estar na AG

JMarta Soares, que deu posse à Comissão de Gestão, garantiu que os sócios se poderão expressar com total segurança na AG de destituição que vai decorrer no dia 23, na Altice Arena, e que Bruno de Carvalho poderá fazer uso da palavra "de pleno direito", pois não está a suspenso de sócio. "Garantirei todas as condições para que Bruno de Carvalho possa fazer uso da palavra", vincou, prometendo que "a gestão do Sporting vai ficar em boas mãos neste período transitório, em que irão ser rigorosamente cumpridos os estatutos".

Apesar do convite, Bruno de Carvalho diz que os estatutos não lhe permitem estar presente na sessão e, sabe o DN, não deverá responder à nota de culpa pelo menos até ao dia 23. "Estou impedido de ir à Assembleia Geral, porque esta MAG, que considero ilegal, me suspendeu de sócio. Os estatutos não me permitem. Infelizmente, vai ser feita uma Assembleia Geral de destituição que vai ser um julgamento em praça pública", atirou, questionando a pertinência da nomeação da Comissão de Gestão: "Fomos suspensos de sócio durante 10 dias, o que dá até dia 25. Dia 25 podemos deixar de estar de suspensos de sócios. Então cria-se uma Comissão de Gestão por sete dias? Já estão a antecipar que nós sejamos destituídos, o que é grave, para que possam continuar a trabalhar", rematou.

"Novo treinador já foi escolhido"

"O treinador vai ser apresentado para a semana e já foi escolhido", assegurou Bruno de Carvalho na entrevista ao Jornal da Noite da SIC, sem desvendar se será português ou estrangeiro. Esta decisão não deverá merecer qualquer interferência da Comissão de Gestão, pois o futebol profissional não diz respeito ao clube mas sim à SAD, que Bruno de Carvalho deverá continuar a liderar, uma vez que a tendência atual é para não haver qualquer Assembleia Geral da SAD até dia 23 para decidir um novo representante do clube na sociedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?