Cédric e Rui Patrício salvam um ponto na Choupana

Isael abriu o marcador aos 25 minutos, mas Cédric empatou as contas com um grande golo, aos 69', já depois de Van Wolfswinkel ter falhado um penálti. Leões sem vencer fora de casa há 15 jogos.

O Sporting está a caminho de cumprir nove meses sem vencer fora de Alvalade, depois de ter empatado este sábado na Choupana, a um golo, ante o Nacional, em jogo da 12.ª jornada da Liga. Numa partida em que os leões voltaram a não disfarçar os sinais de uma crise evidente, o grande golo de Cédric, aliado a mais duas mãos cheias de boas intervenções de Rui Patrício, foi um mal menor em mais uma exibição pobre do Sporting, que poderá acabar a ronda a 11 pontos do pódio.

Foi precisamente na Choupana, a 22 de abril, que o Sporting registou a última vitória fora de portas. Desde então, são já 15 os jogos somados pelos leões na qualidade de visitantes, sem qualquer triunfo. Já sem o título entre as cogitações leoninas, os pupilos de Franky Vercauteren continuam num inglório 10.º lugar, dividido com o Nacional, com 12 pontos, concedendo ao Sporting de Braga mais uma oportunidade para aumentar a distância na luta pelo "play-off" de acesso à Liga dos Campeões.

Têm sido poucos os jogos onde o Sporting apresentou bom futebol esta época, mas, ainda assim, a primeira parte na Choupana conseguiu apresentar candidatura a pior da temporada. Com uma defesa órfã de Boulahrouz, Rojo e do "pêndulo" Rinaudo, os leões foram facilmente domados por um Nacional superior em todos os capítulos e sempre na rota do 1-0, adiado até ao minuto 25 por Rui Patrício - altura em que o brasileiro Isael, no raio de ação de quatro (!) adversários, viu espaço para o remate e bateu o guarda-redes português.

A reação do Sporting foi tímida, tanto que os leões só fizeram um remate à baliza em toda a primeira parte, por Van Wolfswinkel, à figura de Vladan (26'). O holandês, que viveu o momento mais "ingrato" da partida, até foi um dos melhores em campo do lado do Sporting, tendo em conta que teve de fazer de tudo: ir à linha cruzar, ir ao meio-campo "buscar" jogo, abrir linhas de passe e "arrastar" os centrais consigo. Muito trabalho, mas sem produtividade aliada ao mesmo. Para a história o que fica é o minuto 57, em que falhou uma grande penalidade, tento atirado ao lado da baliza de Vladan.

O Nacional da Madeira foi sempre mais perigoso (fez 22 remates, enquanto o Sporting só somou 9), mas a lesão de Revson "obrigou" Manuel Machado a adaptar um esquema com três centrais, que levou os insulares à perda do equilíbrio e capacidade de pressão no meio-campo. Essa lacuna foi aproveitada ao minuto 69, por Cédric, que a mais de 25 metros do alvo atirou uma "bomba" candidata a melhor golo da época. Um ponto que só foi assegurado com mais uma grande intervenção de Rui Patrício nos momentos finais, em mais um jogo onde o Sporting insistiu em jogar como equipa pequena.

90+3' Final do jogo! Nacional e Sporting empatam 1-1 na Choupana, golos de Isael (25') e Cédric Soares (69'), numa partida em que Van Wolfswinkel ainda falhou um penálti (57') e Rui Patrício voltou a ser decisivo. Leões e insulares dividem o 10.º lugar, com 12 pontos.

90+3' Cartão amarelo para João Aurélio, que dá origem ao último lance do jogo.

90' Três minutos de compensação...

89' Remate de Claudemir, para fora do campo de jogo. É o Nacional da Madeira quem está a conseguir os lances mais perigosos nestes últimos minutos.

87' Cruzamento perigoso de Valentin Víola, mas ninguém apareceu para o desvio.

86' Remate fraco de Mateus, para Rui Patrício defender.

83' Mateus desperdiça! Depois de um remate acrobático falhado por Barcellos, o angolano recebeu a bola na grande área e, à meia volta, atirou um pouco ao lado.

80' Rui Patrício segura o empate! Rondón coloca Barcellos em zona de finalização, mas o atacante brasileiro atirou para uma grande defesa do guarda-redes português.

79' Que perdida de Jeffrén! Na primeira vez que tocou na bola, o extremo ganhou o ressalto na grande área, mas atirou ligeiramente por cima do alvo.

77' Substituição no Sporting. Saiu Pranjic e entrou Jeffrén.

77' Cartão amarelo para Jota, por derrubar Valentín Viola.

75' Rui Patrício nega o golo ao Nacional, após pontapé livre de Claudemir.

74' Cartão amarelo para Cédric, por falta sobre Mateus.

72' Diego Barcellos, em boa posição para finalizar, remata muito ao lado da baliza.

71' O Nacional perdeu o equilíbrio no meio-campo, algo que coincide com a aposta forçada em três centrais, que coincidiu com a saída de Revson, lesionado, deixando o meio-campo desfalcado.

69' Substituição no Nacional. Saiu Isael e entrou Jota.

69' GOLO DO SPORTING! CÉDRIC SOARES FAZ O 1-1! Que golaço do lateral português! Um lance que ganha candidatura óbvia a golo da época: remate fortíssimo com o pé esquerdo, a mais de 25 metros da baliza, a entrar na "gaveta". Vladan ainda tocou de raspão na bola, mas esta levada selo de golo.

68' O Nacional tenta "matar" o jogo em contra-ataque, procurando aproveitar a passividade do Sporting no seu meio-campo.

66' Remate forte de Isael, mas ao lado do alvo.

65' São já 15 os remates do Nacional da Madeira, enquanto o Sporting fez apenas quatro, um deles a grande penalidade desperdiçada por Van Wolfswinkel.

63' O Sporting está mais agressivo, mas joga mais com o coração do que com "cabeça". Van Wolfswinkel joga longe da grande área e é "obrigado" a ir ao meio-campo buscar jogo, perante a incapacidade dos leões em servirem o ponta-de-lança.

62' Substituição no Nacional. Saiu Daniel Candeias e entrou Diego Barcellos.

60' Corte providencial de Xandão, evitando que Rondón ficasse isolado na grande área.

57' Van Wolfswinkel falha o penálti! O holandês atirou ao lado da baliza.

56' Substituição no Sporting. Saiu Labyad e entrou Valentin Víola.

55' Penálti para o Sporting! Lance absurdo de Manuel da Costa, que placou autenticamente Diego Capel na grande área. Mérito na velocidade do espanhol. Van Wolfswinkel para bater...

54' Excelente exibição do ponta-de-lança Mario Rondón, que tem conseguido ganhar uma série de lances aos centrais Eric Dier e Xandão. Só está a faltar o golo à exibição do venezuelano.

52' Sporting muito "faltoso" na segunda parte e a conceder vários lances de bola parada ao Nacional.

50' Remate forte de Candeias, mas desenquadrado com a baliza.

48' Cartão amarelo para Gelson, por derrubar Rondón.

46' Início da segunda parte. Bola para o Sporting.

45+2' Intervalo na Choupana. Nacional superior ao Sporting durante a primeira parte, sobretudo até ao minuto 25, altura em que Isael abriu o marcador, após uma mão cheia de defesas de Rui Patrício. A resposta do Sporting ficou-se por dois remates, apenas um à baliza (Van Wolfswinkel, 26'), enquanto o Nacional já rematou 12 vezes.

45' Mais dois minutos para se jogar na primeira parte.

44' Rui Patrício nega o golo a Mario Rondón, após um remate cruzado do venezuelano.

43' Vercauteren coloca Valetin Víola e Jeffrén em exercícios de aquecimento. Elias, Diego Capel e Labyad são sérios candidatos a ficarem nos balneários ao intervalo.

42' Remate de Claudemir, muito por cima do alvo.

38' Excelente intervenção de Vladan, a tirar a bola do raio de ação de Van Wolfswinkel. O Sporting está mais perigoso nesta fase, enquanto o Nacional adota, cada vez mais, uma estratégia de contra-ataque.

35' Nacional perto do 2-0. Cruzamento muito perigoso de Candeias, que Mario Rondón não desviou para a baliza por milímetros. Valeu, depois, a intervenção de Rui Patrício.

34' Cruzamento perigoso de Insúa, que obrigou Manuel da Costa a um corte muito perigoso, que por pouco não dava em autogolo. Boa reação dos leões nos últimos minutos.

32' Remate forte de Pranjic, muito por cima do alvo.

30' Sete remates para o Nacional, apenas um para o Sporting. Os leões têm mais bola (61%), mas não estão a fazer o melhor uso da mesma.

28' Sporting a imprimir, por fim, alguma agressividade no meio-campo, mas ainda com dificuldades na fase de construção. Pranjic, na posição "10", é obrigado a baixar no terreno para criar um elo de ligação, mas vez que Gelson é um trinco "posicional" e Elias não está a conseguir ligar os setores.

26' Primeiro ataque com algum perigo do Sporting na partida, com Van Wolfswinkel a cabecear para defesa atenta de Vladan. Veremos se o golo do Nacional servirá de despertador para o Sporting.

25' GOLO DO NACIONAL! ISAEL FAZ O 1-0! Um golo que surge com toda a naturalidade para a equipa da casa. O médio brasileiro ganhou espaço para o remate, perante a passividade de Insúa, e bateu Rui Patrício com um remate forte.

23' O Sporting não tem, propriamente, feito bons jogos nos últimos meses, mas estes 23 minutos na Choupana conseguem ser candidatos ao pior que os leões já produziram esta época. Vladan é um espectador na baliza do Nacional e está a ser Rui Patrício a segurar o 0-0.

20' Substituição no Nacional. Saiu Revson, lesionado, e entrou Miguel Rodrigues.

19' O Sporting ainda não tentou rematar, nem assinou lances de perigo perto da grande área do Nacional. São os insulares quem dominam na Choupana.

18' Revson parece estar lesionado e poderá ter que ser substituído.

16' Ataque perigoso do Nacional, valendo o corte a meias entre Xandão e Dier face à investida de Mario Rondón.

14' Cabeceamento de Manuel da Costa, para defesa segura de Rui Patrício.

13' Remate perigoso de Mario Rondón, para mais uma boa intervenção de Rui Patrício.

9' Nova defesa de Rui Patrício, desta vez na sequência de um pontapé de canto, a remate de Revson.

8' Outra vez Rui Patrício. Cruzamento perigoso de Candeias, corte incompleto de Xandão e Patrício a defender para canto.

7' Só tem dado Nacional até ao momento. O Sporting coloca muita gente atrás da linha da bola e, depois, não consegue iniciar a fase de construção.

4' Rui Patrício evita o golo! Bom trabalho de Isael no flanco esquerdo, a dar um "nó cego" a Cédric antes de cruzar para a grande área, onde o ligeiro desvio de Rondón foi para as mãos de Patrício.

3' Nacional com mais bola e ao ataque nos primeiros minutos, com o Sporting ainda na expetativa.

1' Ao contrário do que tem sucedido em vários pontos do continente, na Madeira não choveu antes da partida, por isso o relvado estará em condições de acolher a partida.

1' Artur Soares Dias apita para o início do jogo! Bola para o Nacional.

NACIONAL: Vladan; João Aurélio, Mexer, Manuel da Costa, Marçal; Revson, Claudemir, Isael; Mateus, Candeias e Mario Rondón.

SPORTING: Rui Patrício; Cédric Soares, Xandão, Eric Dier, Emiliano Insúa; Gelson Fernandes, Elias; Pranjic, Zakaria Labyad, Diego Capel; Van Wolfswinkel.

Sporting e Nacional da Madeira defrontam-se este sábado, a partir das 18.00, e lutam por uma "doce" despedida de 2012 num campeonato que tem sido amargo para as duas equipas. Leões e insulares dividem o 10.º lugar, com 11 pontos, mais perto dos lugares de descida do que das posições cimeiras que ambas tinham traçado no início da época. Uma vitória na Choupana, porém, deixará uma das formações mais perto dos lugares "europeus", aguçando a crise do adversário.

A equipa de Franky Vercauteren viveu um dos maiores dissabores da época em Alvalade, com a derrota ante o Benfica. O título, com a liderança à distância de 18 pontos, já não figura entre as cogitações dos leões, por isso a prioridade passa a ser chegar ao terceiro lugar e à terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Esse posto, contudo, está à distância de nove pontos, algo que "proíbe" os leões de cederem mais pontos.

O Sporting, porém, nunca esteve tão desfalcado: Boulahrouz, Carrillo, Marcos Rojo e Rinaudo estão castigados e não podem jogar, enquanto Adrien, André Martins, Izmailov, Carriço e Schaars estão lesionados. Perante estas baixas, Vercauteren chamou seis "bês", com destaque para a estreia de João Mário. O Nacional, ainda à procura da melhor forma com Manuel Machado, só venceu o Sporting na Choupana uma vez nos últimos sete anos (em 2010/11), mas tentará aproveitar as fragilidades de um leão ferido e desfalcado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)