Carriço também considera que o relvado de Alvalade prejudica

O Sporting decidiu ontem que não vai mudar o tapete verde do estádio, uma medida que não agrada aos jogadores. "A relva levanta, não é fácil jogar", diz o defesa central.

O relvado do Estádio de Alvalade é um problema para os jogadores. Daniel Carriço não esconde que é difícil jogar em casa, mas acredita que o problema vai ser resolvido. "Sabemos que o relvado não está nas melhores condições, mas acreditamos no profissionalismo das pessoas que estão a lidar com o caso. É um facto que o relvado não está em boas condições, mas é o que temos e vamos ter de jogar lá. A equipa tem de se habituar a jogar naquele relvado", disse hoje o defesa central,após o treino de hoje na Academia. Mas de que problemas fala? " A relva levanta, não é fácil jogar, mas não vamos entrar por aí, vamos resolver o problema", respondeu. O número 3 do Sporting alertou ainda para a relva do vizinho Benfica. "Não é só nosso relvado, os outros também estão a ficar assim com o mau tempo e a chuva. No último jogo da Luz [Benfica-Académica, 4-0] o relvado também não estava em condições. É um facto que nos podemos lesionar, mas não podemos estar a pensar nisso", lembrou. Já sobre o jogo com a União de Leiria, Daniel Carriço lembrou que o Sporting está "sempre obrigado a vencer". É "mais um jogo, temos de criar uma rotina de vitória, isso é o mais importante. Não digo que tenhamos feito uma má exibição em Setúbal porque acabámos por vencer. Houve jogos em que jogámos melhor e não vencemos". O central prometeu melhores exibições da equipa aos " exigentes" adeptos leoninos, mas recordou que o clube ainda luta por quatro objectivos em quatro competições,embora reconheça que "para o campeonato acabra ainda faltam muitos jogos, estamos empenhados em reduzir a diferença para os concorrentes mais directos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.