Carriço também considera que o relvado de Alvalade prejudica

O Sporting decidiu ontem que não vai mudar o tapete verde do estádio, uma medida que não agrada aos jogadores. "A relva levanta, não é fácil jogar", diz o defesa central.

O relvado do Estádio de Alvalade é um problema para os jogadores. Daniel Carriço não esconde que é difícil jogar em casa, mas acredita que o problema vai ser resolvido. "Sabemos que o relvado não está nas melhores condições, mas acreditamos no profissionalismo das pessoas que estão a lidar com o caso. É um facto que o relvado não está em boas condições, mas é o que temos e vamos ter de jogar lá. A equipa tem de se habituar a jogar naquele relvado", disse hoje o defesa central,após o treino de hoje na Academia. Mas de que problemas fala? " A relva levanta, não é fácil jogar, mas não vamos entrar por aí, vamos resolver o problema", respondeu. O número 3 do Sporting alertou ainda para a relva do vizinho Benfica. "Não é só nosso relvado, os outros também estão a ficar assim com o mau tempo e a chuva. No último jogo da Luz [Benfica-Académica, 4-0] o relvado também não estava em condições. É um facto que nos podemos lesionar, mas não podemos estar a pensar nisso", lembrou. Já sobre o jogo com a União de Leiria, Daniel Carriço lembrou que o Sporting está "sempre obrigado a vencer". É "mais um jogo, temos de criar uma rotina de vitória, isso é o mais importante. Não digo que tenhamos feito uma má exibição em Setúbal porque acabámos por vencer. Houve jogos em que jogámos melhor e não vencemos". O central prometeu melhores exibições da equipa aos " exigentes" adeptos leoninos, mas recordou que o clube ainda luta por quatro objectivos em quatro competições,embora reconheça que "para o campeonato acabra ainda faltam muitos jogos, estamos empenhados em reduzir a diferença para os concorrentes mais directos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.