Carlos Mané diz que volta "mais competitivo" a Alvalade

Avançado de 24 anos está de regresso ao Sporting, após dois anos emprestado ao Estugarda. Não joga desde abril do ano passado

"É um Mané mais competitivo. Apesar de estar lesionado há algum tempo, agora estou praticamente recuperado e vou dar o melhor para dar coisas boas ao Sporting. Sou um jogador muito mais forte e de certeza que, com a fome que tenho de futebol, vou dar tudo para ajudar o clube. Foi uma boa experiência, estar longe do país pela primeira vez, mas agora estou de volta", afirmou Carlos Mané à Sporting TV, no dia do arranque dos trabalhos do plantel leonino, quando questionado sobre o efeito da experiência no futebol alemão, ao serviço do Estugarda.

"É um orgulho estar de volta ao clube do meu coração e queremos devolver a alegria ao Sporting. Já tinha saudades e, com a ajuda dos adeptos, a equipa vai estar mais forte. Os adeptos do Sporting merecem o título. Agora estive de fora e senti que os adeptos ajudam o clube e merecem sorrir", acrescentou o avançado português de 24 anos.

Já o reforço Raphinha, oriundo do Vitória de Guimarães, promete empenho de leão ao peito. "É um prazer imenso poder vestir esta camisola, vou estar aqui para dar o meu máximo. É um crescimento muito grande, converso muito com os meus pais, e é mais um passo. Começar no Avaí e chegar ao Sporting, um dos maiores clubes do mundo, é uma honra. Vou dar sempre o melhor em cada treino, sempre à procura do melhor para a equipa. Passei aqui como adversário, estou muito ansioso pela estreia. É uma responsabilidade maior, mas, com calma, vai dar tudo certo", comentou o extremo brasileiro de 22 anos. "Confiem no nosso grupo de trabalho. Vai correr tudo bem este ano e vamos conseguir grandes coisas", aditou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...