Bruno de Carvalho sentiu-se traído e suspendeu 19 jogadores

Reunião em Alvalade já terminou e jogadores seguiram para Alcochete. Parceiro dos leões fala em "total indignação e vergonha"

Rebentou a crise em Alvalade como nunca se vira antes. Bruno de Carvalho anunciou ontem à tarde no Facebook a suspensão de todos os jogadores que partilharam nas redes sociais um comunicado em resposta às críticas do presidente do Sporting a alguns atletas após a derrota diante do At. Madrid, dos quartos-de-final da Liga Europa.

Ou seja, até informação em contrário, 19 futebolistas do plantel principal, entre os quais os capitães William Carvalho, Rui Patrício e Coates, estão suspensos e vão receber notas de culpa dos respetivos processos disciplinares. Ao que o DN apurou, as notificações serão entregues em mão esta manhã quando se apresentarem em Alcochete para treinar (às 10.00 horas). Fonte do Sporting, contudo, assumiu ao DN que pode dar-se o caso de nem todos as receberem, pois a SAD entende que há uns mais culpados do que outros neste processo. Se tal acontecer, quem não receber continuará a treinar-se.

O número de jogadores solidários até pode subir (há sete que não estão notificados), pois alguns não têm conta em redes sociais e, como tal, não publicaram o comunicado, no qual expressaram o "desagrado" do plantel em relação às críticas do presidente e lamentaram "a ausência de apoio" de quem, dizem, "deveria ser" o líder da equipa. "Todos os assuntos resolvem-se dentro do grupo", lia-se no comunicado.

A situação foi espoletada durante a tarde, após uma manhã turbulenta em Alvalade, para onde os jogadores seguiram após regressarem de Madrid (10.30 horas) para serem submetidos a banhos e massagens. Foi nessa altura que os futebolistas exigiram a presença de Bruno de Carvalho para que tudo fosse esclarecido cara a cara. Só que o presidente, que não esteve com a equipa em Madrid, estava numa audiência na Procuradoria-Geral da República, não tendo por isso comparecido em Alvalade.

Ao que o DN apurou, foi o treinador Jorge Jesus - que sempre esteve ao lado dos jogadores - a amenizar o ambiente numa reunião com o plantel, que terminou com os jogadores a seguirem para casa, tendo ficado em aberto dois cenários: o boicote ao treino deste sábado ou um comunicado conjunto e público de todo o plantel. Ao início de tarde, os danos causados por este conflito pareciam controlados, mas por volta das 18.00 horas os capitães Rui Patrício e William Carvalho publicaram o comunicado nas respetivas contas de Instagram, tendo de imediato sido seguidos por outros elementos do plantel.

Não demorou muito até que Bruno de Carvalho explodisse na sua conta de Facebook, numa publicação que não estava aberta ao público e só disponível para os amigos daquela rede. O presidente anunciou a suspensão de todos os subscritores e passou ao ataque pois, segundo uma fonte do Sporting, não esperava esta reação de força dos jogadores e sentiu-se por isso traído. "Já estou farto de atitudes de miúdos mimados que não respeitam nada nem ninguém", escreveu o líder leonino, que foi mais longe:

Estas crianças mimadas julgam que vão longe, mas desta vez a minha paciência esgotou-se para quem acha que está acima do clube e de qualquer crítica

A publicação de Bruno de Carvalho representou o extremar de posições, bem patente no facto de alguns atletas que ainda não tinham partilhado o comunicado o terem feito após a reação do presidente: foram os casos de Rafael Leão, Doumbia, Wendel, Ristovski e Fábio Coentrão. Este último, aliás, foi um dos visados das críticas do líder leonino após o jogo de Madrid.

Aliás, além do defesa-esquerdo também foram criticadas as atuações de Mathieu, Coates, Gelson, Fredy Montero e Bas Dost que, tal como Coentrão, foi acusado de ter visto um cartão amarelo diante do Atlético de Madrid por não querer jogar a segunda mão em Alvalade.

Equipa B com o Paços de Ferreira

A suspensão dos atletas do Sporting mereceu entretanto do Sindicato dos Jogadores uma posição de "total solidariedade" com o plantel leonino, num comunicado onde a instituição lamentou que "após apelar a que os dirigentes resolvam internamente, e não no espaço público, os problemas existentes com os seus jogadores, tal apelo não tenha sido acolhido pelo presidente do Sporting". O organismo presidido por Joaquim Evangelista "condena a tomada de posição pública do presidente do Sporting" em "tecer críticas à performance desportiva dos jogadores".

Segundo fonte próxima do processo, ontem à noite as posições estavam extremadas, razão pela qual não havia no horizonte forma de resolver o conflito que, ao que tudo indica, irá obrigar Jesus a recorrer aos jogadores da equipa B para defrontar amanhã (20.15) em Alvalade o Paços de Ferreira, na jornada 29 da Liga. Mais problemática será a tarefa do treinador para o jogo de quinta-feira com o At. Madrid, também em casa, se a suspensão dos atletas se mantiver, uma vez que terá de socorrer-se dos 26 jogadores da lista B (juniores) que inscreveu na Liga Europa. Isto caso se confirmem as suspensões dos 19 atletas, algo que, recorde-se, fonte dos leões disse que poderá não acontecer.

O DN procurou saber junto do advogado Bernardo Morais Palmeiro se, perante a situação que criada em Alvalade, os jogadores do Sporting poderão ter algum motivo para evocar rescisão dos seus contratos. O antigo jurista da FIFA considera que "neste momento ainda não há matéria para poderem pensar em rescisões com justa causa", adiantando que "é preciso perceber os próximos desenvolvimentos". "A confirmar-se que os jogadores que subscreveram o post estão suspensos, terão de ser notificados em notas de culpa de processo disciplinar. Depois é preciso perceber do que serão acusados e só aí se poderá fazer uma análise jurídica mais concreta", frisou o especialista em direito desportivo.

Um caso sem precedentes

Esta crise não tem paralelo nos três grandes do futebol português. Os rivais, no entanto, já viveram situações complicadas, sendo que a mais significativa envolveu o FC Porto em 1980, quando o presidente Américo de Sá demitiu o então diretor do futebol Pinto da Costa e, na sequência, o treinador José Maria Pedroto deixou o clube e 15 jogadores recusaram treinar-se, entre os quais António Oliveira, Lima Pereira, Frasco, Fernando Gomes, Jaime Pacheco, Octávio Machado e António Sousa.

No Benfica foi o presidente Vale e Azevedo o protagonista dos casos mais complicados, tendo o conflito com o capitão João Vieira Pinto redundado no seu despedimento em 2000.

A OPINIÃO DE FERREIRA FERNANDES

Reunião em Alvalade já terminou e jogadores seguiram para Alcochete

A reunião entre Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, e o plantel já terminou, tendo os jogadores do plantel seguido no autocarro para Alcochete, onde vão participar no treino marcado para esta tarde.

Não seguiram no autocarro os jogadores indisponíveis para o jogo deste domingo, em Alvalade, com Piccini, por castigo, Bruno César, Daniel Podence e William Carvalho, por estarem lesionados, a não seguirem com a equipa para a academia. Estes quatro atletas, deixaram o estádio nos seus automóveis.

Conferência de imprensa de Jorge Jesus adiada

Treinador do Sporting vai falar este sábado aos jornalistas três horas depois do que estava inicialmente previsto. Estrutura do futebol estará a unir esforços para conseguir apaziguar os ânimos, escreve o Record

O Sporting informou que a conferência de imprensa marcada para as 15.00 deste sábado, e em que Jorge Jesus faria a antevisão ao encontro com o Paços de Ferreira, foi adiada para as 18.00.

Segundo escreve o Record, esta medida servirá para tentar ganhar algum tempo, uma vez que "vários elementos da estrutura do futebol do Sporting estão a unir esforços para conseguir apaziguar os ânimos e assegurar que toda a situação de tensão que se vive nos leões fica resolvida o quanto antes".

Antes de falar aos jornalistas, o treinador leonino vai orientar um treino previsto para a Academia do clube, em Alcochete.

Parceiro dos leões fala em "total indignação e vergonha"

A empresa Grupovarius, parceiro do Sporting para as modalidades, anunciou através do Facebook que não vai marcar presença no camarote do Estádio José Alvalade no jogo de domingo (20.30), diante do Paços de Ferreira, e mostrou repúdio à situação em que a equipa principal de futebol do clube está envolvida.

"O Grupovarius informa através desta mensagem e na pessoa do Presidente Executivo, que não se revê na vergonha que se está a passar no Clube que apoia e que inclusive tem camarote", começa por referir a empresa.

"Jamais pactuamos e aceitamos que uma instituição, seja ela qual for, que tenha sócios, apoiantes, simpatizantes e adeptos, exponha publicamente os problemas internos, ainda por cima com uma das modalidades, neste caso o Futebol.
O que parece que ainda não entenderam, é que o Sporting Clube de Portugal é muito mais do que isto. É um dos clubes do mundo com mais resultados desportivos a nível mundial. Não fazemos julgamentos sobre quem quer que seja, no entanto como principal responsável do apoio ao Judo do Sporting Clube de Portugal, e que cujo apoio foi fundamental e inequívoco para os resultados que a modalidade tem vindo a ter, informamos que não estaremos presentes no nosso camarote no próximo jogo, de forma a mostrar a nossa total indignação e vergonha. Apelamos que seja posto de imediato um ponto final neste assunto e respeitem a instituição e quem a preside, bem como os que a representam, o desporto e os valores que representa tem que ser bem maior que os egos individuais de cada um", pode ler-se também, numa publicação assinada por Alexandre Cavalleri, presidente executivo da Iguarivarius e sócio 13.384 do Sporting.

Ameaçados? Rúben Ribeiro e Doumbia retiraram post das redes sociais

Rúben Ribeiro e Seydou Doumbia apagaram das respetivas redes sociais o comunicado de "todo o plantel" do Sporting publicado esta sexta-feira por 19 jogadores da equipa principal do clube, em resposta às críticas tecidas publicamente por Bruno de Carvalho após a derrota sofrida diante do Atlético de Madrid (0-2), na quinta-feira.

Segundo escreve O Jogo, o médio ofensivo português e o avançado costa-marfinense foram ameaçados de diversas formas, desde telefonemas que envolveram adeptos e ameaças aos familiares, tal como outros elementos do plantel, e optaram por apagar a publicação.

Bet.pt suspende apostas do jogo com Paços de Ferreira

A casa de apostas desportivas online Bet.pt suspendeu as apostas para o jogo entre o Sporting e Paços de Ferreira, agendado para domingo (20.30), devido à incerteza relativamente aos jogadores que os leões poderão apresentar no encontro.

Na zona do site da empresa de apostas desportivas relativa aos jogos de domingo da I Liga, aparecem apenas o Desp. Chaves - Belenenses e o FC Porto - Desp. Aves, tendo sido eliminado o duelo entre leões e pacenses.

Dúvidas de uma crise

Quais os 19 jogadores suspensos pelo presidente?

Os 19 jogadores suspensos pelo presidente Bruno de Carvalho na publicação feita na sua página do Facebook são todos aqueles que partilharam o comunicado do plantel nas redes sociais. Os capitães Rui Patrício, William Carvalho e Coates, mas também Bruno Fernandes, Battaglia, Piccini, João Palhinha, Acuña, Gelson Martins, Daniel Podence, Bruno César, Fredy Montero, Bryan Ruiz e Rúben Ribeiro. Depois de Bruno de Carvalho ter anunciado a suspensão dos jogadores, também Rafael Leão, Doumbia, Wendel, Fábio Coentrão e Ristovskipartilharam o comunicado e ficaram abrangidos pela decisão.

Bas Dost terá este sábado integrado o lote dos suspensos por ter manifestado solidariedade com os colegas, segundo informa o CM. Segundo escreve O Jogo, Rúben Ribeiro, médio ofensivo português, e o avançado costa-marfinense, Doumbia, foram ameaçados de diversas formas, desde telefonemas que envolveram adeptos e ameaças aos familiares, tal como outros elementos do plantel, e optaram por apagar a publicação. Ainda segundo o CM, Bruno de Carvalho estará a preparar o regresso de Coentrão a Madrid.

Que jogadores podem jogar com o Paços de Ferreira?

Tendo em conta os 19 jogadores suspensos, o Sporting deverá recorrer aos restantes atletas da equipa principal que, até ver, não estão abrangidos pela decisão do presidente Bruno de Carvalho - casos de Salin, André Pinto, Mathieu, Lumor, Misic, Petrovic e Bas Dost -, aos quais se podem juntar os futebolistas da equipa B, que joga nesta tarde (16.00) em Oliveira de Azeméis com a Oliveirense. Na Liga Europa, quinta-feira em Alvalade, com o At. Madrid, Misic e Lumor não estão inscritos e por isso impedidos de jogar. Mas os leões podem recorrer aos jogadores inscritos pela lista B, que comporta apenas jogadores formados no clube.

Jesus pode recusar-se a orientar a equipa?

Não, porque o treinador do Sporting assinou contrato com a SAD e, como é normal, não existe nenhuma cláusula que diga que só poderá orientar jogadores da equipa principal. Como tal terá de comandar os futebolistas que a administração dos leões lhe põe à disposição. Nesse sentido, Jorge Jesus terá, no âmbito das suas funções, de encontrar as melhores soluções para montar a equipa que melhores garantias lhe der, tendo em conta os futebolistas disponíveis para o jogo de amanhã à noite (20.15) com o Paços de Ferreira, no Estádio José Alvalade, a contar para a 29ª jornada da Liga. Isto se se confirmar mesmo a suspensão dos 19 atletas.

Jorge Jesus não sai pelo próprio pé

De acordo com a TSF, Jorge Jesus não tem qualquer intenção de abandonar o comando técnico do Sporting, apesar da crise que está instalada no clube, na sequência das críticas do presidente aos jogadores após a derrota diante do Atlético de Madrid (0-2), da resposta dos atletas e das suspensões aplicadas por Bruno de Carvalho aos futebolistas.

A TSF adianta que é vontade do treinador amadorense cumprir o contrato que tem com os leões, e que só caduca em junho de 2019.

Jesus irá, segundo a TSF, fazer uma convocatória normal já que não "foi informado através de uma nota formal da SAD do Sporting que não pode convocar os jogadores que terão sido suspensos por Bruno de Carvalho."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.