Bruno de Carvalho convoca sessão de esclarecimento para dissidentes

Em comunicado, o presidente do Sporting anuncia ter enviado convites a personalidades que citou no Facebook e a quem chamou "sportingados"

O Sporting emitiu esta sexta-feira um comunicado no qual informa que o presidente Bruno de Carvalho convidou os sócios por ele nomeados no Facebook e que designou como "sportingados" para uma sessão de esclarecimento a propósito do facto das razões pelas quais foram integradas nessa lista, "concedendo-lhes oportunidade de confrontarem o presidente com as suas razões".

Nessas sessões "todos" terão a "oportunidade de colocar as questões que entendam pertinentes" sobre as propostas de alteração aos estatutos do clube e regulamento disciplinar que serão submetidas a aprovação dos sócios na assembleia geral de 17 de fevereiro.

Estes encontros estão marcados para este domingo (15.00 horas) num hotel perto do Estádio José Alvalade e na segunda-feira (16.00 horas) no auditório Artur Agostinho.

Foram convidados os seguintes sócios: Dias da Cunha,Isabel Trigo de Mira, Carlos Severino, Rui Morgado, Vítor Ferreira, Pedro Paulino,Carlos Seixas, Pedro Paiva dos Santos, José Pedro Rodrigues, Ribeiro Cristóvão, Sérgio Abrantes Mendes, Carlos Barbosa, Carlos Barbosa da Cruz, Mário Casquilho, Menezes Rodrigues, Pedro Madeira Rodrigues, Margarida Dias Ferreira, Carlos Araújo Sequeira, Vítor Espadinha, Rui Barreiro, João Pessoa e Costa, Rogério Beatriz, Ernesto Ferreira da Silva, Rogério de Brito, Ricardo Andorinho, Pedro Miguel Moura, Mário Saldanha, Ricardo Agostinho, César Oliveira, Alexandre Marques, Nuno Lourenço, Ricardo Cazal Ribeiro, Paulo "Alvalade" (Paulo João), Maria Cavaco, Nuno Manaia Costa, Pedro Marques, Ruben Coelho, Juvenal Carvalho, André Carreira Figueiredo, Ruben Proença de Amorim, Pedro Quartin Graça, Nuno Diogo Fernandes, Miguel Ferreira Pinto, José Penedo, Nuno Mourão, Duarte Moral

Foram ainda convidados vários jornalistas e comentadores, sendo que o comunicado revela que ficaram sem convite Diogo Froes, Rui Franco, Godinho Lopes e Paulo Pereira Cristóvão, por não serem sócios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.