Sporting agarra o Benfica com tiro de Bruno Fernandes

Médio português fez os dois golos dos leões (o segundo ao minuto 89) num jogo em que o Portimonense chegou a dominar na segunda parte. Sporting colou-se ao arquirrival no 2.º lugar

Manuel Queiroz
Bruno Fernandes foi o grande herói do jogo, com os dois golos que valeram a vitória e permitiram ao Sporting vencer em Portimão © Algarve Photo Press / Global Imagens

Bruno Fernandes voltou a ser determinante, como tem sido ao longo da época. Dois golos seus, o segundo já a acabar, deram a vitória ao Sporting no terreno do Portimonense. Os leões estão assim empatados com o Benfica (e a dois pontos do FC Porto, que joga hoje na Madeira), antes do dérbi de sábado.

Foi um final dramático, mas o Sporting teve mais oportunidades e melhores, mesmo sendo feliz nessa parte final em que, inegavelmente, procurou muito a vitória. O Portimonense também não merecia perder, mas o tiro de Bruno Fernandes, aos 89", era indefensável.

O Sporting entrou em campo a saber que podia igualar o Benfica, em caso de vitória, e o início foi muito verde e branco. Logo ao terceiro minuto, Leo fez uma grande defesa (não seria a única), após um canto que Battaglia cabeceou ao segundo poste. Jorge Jesus tinha a sua defesa em emergência, sem Piccini, André Pinto e Mathieu - jogaram Ristovski e Petrovic, habitual médio defensivo - mas daí para a frente era o que tem sido habitual.

O Portimonense aparecia mais em 4-3-3 e teve também a infelicidade de o médio Marcel se lesionar antes dos 20", obrigando à entrada de Dener, que é um homem com características mais de médio organizador do que de trabalhador (mas ontem até foi bastante agressivo, porque a equipa precisava disso).

O Sporting marcou ainda dentro do primeiro quarto de jogo, num desvio de cabeça de Bas Dost a isolar Bruno Fernandes, que fez o golo com um toque só e em chapéu. Belo golo do médio, cada vez mais próximo de merecer a sua chamada para o Mundial da Rússia. Um lance legal mas que deixou dúvidas dissipadas para o árbitro também pelo VAR.

Gelson era a grande fonte do jogo dos leões. Ontem estava mais em permanência sobre a direita e mostrou muito do seu repertório, em fintas, acelerações, passes e desmarcações. Com Bruno Fernandes e Bryan Ruiz, o meio-campo do Sporting mandava, até porque Battaglia fazia bem o trabalho sobre Nakajima e Fede Varela. A primeira meia hora deu a ideia de que as coisas iam ser fáceis para o Sporting.

Antes do intervalo o Portimonense empatou - cruzamento de Tabata, Fabrício a aparecer a finalizar no meio dos centrais, de toque único e as coisas foram diferentes. A asa esquerda, com Rafa Soares e Tabata, foi das boas coisas apresentadas pela equipa da casa . O início da segunda parte viu uma equipa de Vítor Oliveira forte e a obrigar o Sporting a defender, apesar de ter sido Gelson a falhar uma boa oportunidade quando Bas Dost fez outra vez de tabeleiro de cabeça.

Jesus tentou a substituição que tem feito - saiu Coentrão, Acuña recua para a defesa, entrou Misic que foi jogar para a direita e teve logo um bom remate. O Sporting da segunda parte já não dominava, a posse era repartida, os algarvios até tinham mais cantos e remates. O leão parecia cansado. Entrou Montero e teve ainda um fôlego último em que Dost e Gelson podiam ter marcado. A equipa estava menos organizada e mais ansiosa, mas acabou por ser feliz no tiro imparável de Bruno Fernandes, aos 89", de fora da área.