Bruno de Carvalho: "Fundos não têm qualquer interesse"

No congresso Internacional sob o tema 'O Futuro do Futebol', o presidente do clube voltou a falar dos fundos quando se discutia o tema Desafios e Oportunidades na Indústria do Futebol...

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, voltou esta terça-feira a considerar que os fundos de investimento "não têm qualquer interesse para os clubes", e disse mesmo que nunca conseguiu negociar com nenhum.

"Recebi 20 pessoas da área dos fundos e nenhuma delas me deu a possibilidade de negociar. Para eles é tudo seguro e eu é que corro os riscos (...) Têm que nos convencer que os investidores terceiros são bons, os meus pais sempre me ensinaram a não gastar mais do que tenho", afirmou durante o congresso e perante o plantel principal, que marcou presença no evento antes de seguir viagem para Vizela (onde na quarta-feira joga para a Taça de Portugal).

Segundo Bruno de Carvalho "os clubes ricos ficarem cada vez mais ricos". O presidente do Sporting falava no final do primeiro painel de discussão, subordinado ao tema Desafios e Oportunidades na Indústria do Futebol, que juntou vários oradores, entre os quais Bobby Barnes, presidente da FIFPro Europa.

Lembrando que a FIFPro representa mais de 60.000 jogadores de 58 países, Bobby Barnes afirmou ser "contra a detenção de passes por parte de terceiros" e disse aguardar um anúncio da FIFA e da UEFA sobre o assunto.

O congresso, que termina na quarta-feira, servirá, segundo Bruno de Carvalho, "para debater a indústria do futebol fora dos relvados" e trazer "ideias inovadoras" sobre o futuro da modalidade.

Além dos desafios da indústria do futebol, no congresso, que decorre no auditório do Estádio José Alvalade, em Lisboa, vão ser debatidos temas como as novas tecnologias, o futebol de formação e estratégias e políticas comerciais.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.