Bruno de Carvalho avança com auditoria de gestão

Presidente dos leões nega ameaças de demissão, diz que a entrada de investidores está feita e garante que o Sporting começará a dar lucro na próxima época.

Bruno de Carvalho confirmou que o Sporting vai avançar para uma auditoria de gestão dos últimos conselhos diretivos em Alvalade, de modo a clarificar toda a gestão económica, financeira e desportiva dos últimos anos. Este foi o grande destaque da conferência de imprensa dada pelo presidente dos leões nesta quarta-feira, onde Bruno de Carvalho afirmou que não poderia falar sobre tudo o que pretendia.

"Não sou um mero sócio. Sou presidente do Sporting e da SAD, tenho com isso um conjunto de deveres de sigilo. Não vou poder, de facto, dizer tudo o que queria, mas esse dever de sigilo não será para sempre", frisou o presidente leonino, adiantando que "o perdão da dívida não está sobre a mesa" e que a reestruturação da dívida com bancos e credores "continua a ser negociada", podendo, "com bom senso", terminar "rapidamente".

Questionado sobre se teria ameaçado os bancos credores com a demissão da presidência do Sporting caso não fossem flexíveis nas negociações, Bruno de Carvalho apontou que "nem tudo o que é noticiado é notícia" e que "mais cedo ou mais tarde, os sócios do Sporting saberão o que tem acontecido nas negociações". "Continuaremos a negociar com base nos interesses do clube", acrescentou.

Quanto aos salários em atraso em Alvalade, Bruno de Carvalho disse que sob o "dever da confidencialidade" não poderia confirmar se os mesmos serão, ou não, pagos em breve. Em relação aos investidores, o presidente leonino não escondeu o desagrado com as notícias avançadas por alguma comunicação social de que Bruno de Carvalho não teria nenhum. "A entrada de investidores não é nenhum problema desta reestruturação, está feita. Acontece que nenhum investidor colocará um cêntimo no Sporting sem a reestruturação estar feita", justificou.

"A reestruturação não é dos últimos 15 dias, mas sim dos últimos 17 anos, onde se foram acumulando os resultados que são conhecidos. Aquilo que não é admissível, e acreditamos que haja bom senso, é que se queira que uma nova direção resolva o que não foi resolvido em 17 anos num par de meses", lamentou o dirigente, acrescentando que o Sporting começará a dar lucro já a partir da próxima época.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG