Braz da Silva tem fundo de 100 milhões para o Sporting

Empresário avança para semana com projecto para investir em jogadores. Tem apoio de Agostinho Abade e admite candidatar-se.

O empresário José Braz da Silva está a criar um projecto para o Sporting que consiste na criação de um fundo de investimento privado de 100 milhões de euros para "salvar o clube da agonia" e contratar jogadores. Agostinho Abade, actual presidente do Conselho Fiscal dos leões, faz parte do projecto, como o próprio o confirmou ao DN. "O Sporting, como todas as empresas, tem ciclos e Braz da Silva pode ser um grande presidente. Ele faz-me lembrar João Rocha, para mim o melhor presidente até hoje", disse.

O projecto passa por duas fases. Na primeira, uma emissão privada de 50 milhões de euros, cada investidor terá de entrar com pelo menos um milhão. Depois, para atingir o dobro desse valor, os 100 milhões finais, haverá uma segunda emissão de participação mais baixas. "Para ser competitivo é preciso ter activos de qualidade. Por isso estamos a pesar um projecto credível e transparente que consiste em criar um fundo de 50 milhões, numa primeira fase, e mais 50 milhões já com o projecto em andamento a ser aberto a todos os sócios", explica o próprio ao DN. O projecto deverá ser anunciado para a semana.

Este sócio dá a cara pelo projecto inovador, mas não quer para já revelar quem está com ele. Nem se isso passa por uma candidatura à presidência do clube. O DN sabe que se trata de um grupo de empresários portugueses e angolanos, com negócios nos dois países, que são sportinguistas e pretendem investir no futebol. O objectivo é claro: "Obter liquidez para investir em jogadores." Sobre se o projecto é uma bandeira para a campanha eleitoral ou se é candidato à presidência do Sporting, Braz da Silva deixa tudo em aberto. " Tenho todas as condições para ser candidato. Sou sócio, adoro o Sporting e tenho uma vida profissional que me permite assumir um compromisso dessa natureza, mas ainda não é a altura certa para revelar isso. O que importa é o projecto, que pode ser a última ou uma das últimas oportunidades de devolver o equilíbrio financeiro ao clube", diz.

Braz da Silva tem uma certeza: "O presidente deve servir o clube, por amor, não pode é servir-se do clube e ser remunerado por algo que devia fazer por gosto." Assim, "não faz sentido pedir alguma coisa aos sócios sem oferecer algo primeiro", diz, justificando que o presidente "deve ser um subscritor do fundo". Além de contactos em Portugal e Angola, existem abordagens a empresários noutros países.

E que retorno esperam ter desse investimento? "O futebol é uma indústria e nós temos de o considerar como tal, só assim é possível potenciar um dos melhores e mais rentáveis produtos do País. Portugal faz mais dinheiro com a venda de jogadores do que com outro produto. Ganham os clubes, ganham os jogadores e ganha o Estado, com o pagamento de IVA e outros impostos", responde Braz da Silva, gestor da Finertec, empresa com interesses na área da energia em Angola, Cabo Verde e Portugal, que controla a Construtora do Tâmega (ver perfil). O gestor deu o exemplo de como o antigo Estádio José de Alvalade foi construído. "O clube entrou com 50 milhões provenientes das receitas e um grupo de 40 associados contribuiu com 1,2 milhões e ainda serviram de avaliadores para mais 50 milhões que o clube pediu aos bancos, e assim se fez o estádio."

Para este grupo, o projecto pode resolver o défice bancário de cerca de 250 milhões de euros do Sporting (150Meuro ao BCP e 100Meuro ao BES) que mantém as receitas cativas. Para Braz da Silva é preciso que todos os sportinguistas "unam forças para tirar o clube da agonia financeiro/desportiva em que está mergulhado". E não se pode ficar à espera que apareça um milionário (diz que não é Abramovich) qualquer a querer salvar o clube.

Os órgãos sociais do Sporting anunciaram, a 18 de Janeiro, que irão demitir-se em bloco a 14 de Fevereiro, juntando-se à tomada de posição de José Eduardo Bettencourt, a 15 de Janeiro, e provocando eleições antecipadas. O acto eleitoral terá lugar a 26 de Março.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG