"Blackout evita que o presidente continue a dizer disparates"

Dias da Cunha, antigo presidente do Sporting, é duro nas críticas a Bruno de Carvalho e ao silêncio decretado pelos leões.

Em declarações à Rádio Renscença, o antigo presidente do Sporting abordou de forma crítica a crise interna do clube e a decisão de Bruno carvalho em decretar um blackout. "Se calhar evita que o presidente continue a dizer disparates. Serve para calar o presidente que, esse sim, é que tem de se calar", atirou.

Dias da Cunha teceu ainda ataques ao comunicado lido por Bruno de Carvalho que pdoe ser interpretado como uma crítica ao treinador Marco Silva e aos jogadores. "É um comunicado disparatado. Lê-se e o que é que salta dali senão um ataque à equipa? É inacreditável, lê-se e o resultado é nada, a não ser o ataque à equipa de futebol. É um disparate pegado ler os nomes daqueles jogadores todos, que nem na equipa B têm lugar", referiu, deixando elogios a Marco Silva: "Tenho a maior admiração por Marco Silva, pelo trabalho que faz e por aquilo que é como pessoa. Aprecio o que diz após cada jogo nas análises que faz."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.