Benfica e FC Porto testemunham contra o Sporting

O fundo de investimento Doyen Sports vai chamar todos os clubes com os quais tem negócios, no litígio que tem com os leões.

Benfica e FC Porto, ao que o DN apurou, vão ser chamados, pela Doyen Sports, a testemunhar contra o Sporting no processo que o fundo de investimento, sediado em Malta, interpôs no Tribunal do Desporto (TAS) contra os leões, a propósito da saída do argentino Marcos Rojo para o Manchester United em agosto passado.

Aliás, não serão só os principais rivais do Sporting que serão arrolados como testemunhas da Doyen. A empresa que tem como Chief Executive Officer (CEO) o português Nélio Lucas vai chamar os emblemas com os quais tem feito negócios. Nomeadamente Real Madrid, Atlético de Madrid, Sevilha, Mónaco, Manchester City, entre outros, sendo que é pretensão da Doyen puxar para o seu lado o Manchester United, precisamente o clube que comprou Marcos Rojo ao Sporting. Ainda assim, o que é registo de nota neste capítulo é a decisão da Doyen, que não quis tecer comentários ao DN, em chamar Benfica e FC Porto para atestarem a honorabilidade do fundo de investimento.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.