Sporting vence, garante Champions e adia entrega do título

Leões venceram Gil Vicente na 32.ª jornada (4-1) e asseguraram Liga dos Campeões 2022-23. Sarabia, Edwards, Pote e Lucas Cunha (p.b.) marcaram golos que impediram festa portista.

O Sporting venceu o Gil Vicente (4-1) e impediu que se fizesse a festa do título portista este domingo. O triunfo na 32.ª jornada da I Liga garantiu aos leões a presença na Liga dos Campeões do próximo ano (10.ª presença, 2.ª consecutiva) e os consequentes milhões de receita. Sarabia, Marcus Edwards, Pedro Gonçalves e Lucas Cunha (autogolo) marcaram os golos do triunfo leonino, num jogo com cinco golos (e dois anulados) e muitas intervenções do VAR.

Tirando a festa do FC Porto de equação, os leões sonham com mais deslizes dragonianos de forma a lograr um bicampeonato que foge há 68 anos (!). Desde a década de 50, quando festejou quatro títulos consecutivos, entre 1950 e 1954, que a equipa de Alvalade não festeja dois títulos seguidos. Para isso acontecer teriam de ganhar as duas jornadas que faltam para o fim do campeonato e esperar que os dragões perdessem com o Benfica e com o Estoril.

Este domingo, as bancadas do Estádio de Alvalade assistiram a uma excelente primeira parte de futebol, com o Sporting a impor o ritmo e a terminar os primeiros 45 minutos com 13 remates à baliza e dois golos, contra dois remates e um golo (mais um anulado) do Gil Vicente - que está perto de repetir a melhor classificação de sempre (5.º lugar, com Álvaro Magalhães, em 1999-2000), apesar do sexto jogo seguido sem ganhar.

O jogo não foi fácil para nenhuma das três equipas em campo. A começar pelo árbitro. António Nobre, que estava designado para o jogo inicialmente, adoeceu e deu lugar ao novato Miguel Oliveira. O jovem árbitro da AF de Évora não teve a vida facilitada num jogo com muitos recursos ao videoárbitro.

No que às equipas diz respeito, a equipa do castigado Ricardo Soares - viu o jogo de um camarote - esteve pouco rematadora, mas o rigor defensivo deu para aguentar o ímpeto ofensivo do campeão. Aos 19 minutos, Nuno Santos foi derrubado por Giorgi Aburjania e foi preciso ajuda do VAR para saber se a falta era dentro ou fora da área. Assim que houve luz verde para a grande penalidade, Sarabia pegou na bola e fez o 1-0 da marca de 11 metros. Foi o 19.º golo do espanhol esta época, o 18.º pelos leões (12.º no campeonato).

Aos 29 minutos, o choque de Adán e Antoine Léautey também teve de passar pelo crivo do VAR... assim como o golo de Marcus Edwards aos 32"... e o golo de Fran Navarro (45"+2"), que foi validado por oito centímetros antes do intervalo e já depois do árbitro ter anulado um outro golo gilista por fora de jogo de 17 centímetros.

Mais golos e mais VAR

O golo de Fran Navarro antes do intervalo deixava tudo em aberto para o segundo tempo. Ou não... pois Sarabia regressou dos balneários determinado a resolver o jogo. Não o conseguiu diretamente, mas contribuiu (e de que maneira), para a intranquilidade defensiva que levaria os gilistas a sofrer mais golos. O 3-1 aconteceu mesmo num autogolo de Lucas Cunha, na tentativa de impedir Nuno Santos de servir Sarabia.

O jogo estava vivo, mas Rúben Amorim queria mais. Precisava de tranquilidade. Tirou Edwards e meteu Paulinho, que, mal entrou, obrigou Andrew a grande defesa. O mesmo fez Pedro Gonçalves, aos 57 minutos. O camisola 28 (jogou com o nome da mãe na camisola, como todos os jogadores do Sporting, para assinalar o Dia da Mãe) não marcava há sete jogos. Ontem regressou ao golos e de grande penalidade - a 11.ª da época a favor dos leões. Depois foi descansar e deu lugar a Rúben Vinagre, enquanto Ugarte entrou para o lugar de Palhinha.

A partir daqui tudo foi diferente. Menos intensidade, menos oportunidades e mais um golo anulado a Fran Navarro, do Gil Vicente. Depois ainda houve tempo para a estreia em Alvalade do miúdo Rúben Ribeiro, que acabou de fazer 17 anos e já leva três participações na equipa principal. RR ficou perto do golo, a fechar o jogo que o Sporting venceu e que promete incendiar o clássico da próxima jornada.

FC Porto pode fazer festa na Luz

Com o triunfo do Sporting, o FC Porto continua a prescisar de apenas um ponto para ser campeão, o que pode acontecer na próxima jornada... no Estádio da Luz. Mas depende agora só de si. O clássico da 33.ª jornada da I Liga está marcado para o próximo sábado (18.00) e com essa boa recordação de já ter festejado um título na Luz em 2010-11, com Villas-Boas.

A vitória ou o empate lançam a festa do 30.º título portista e o terceiro em cinco épocas de Sérgio Conceição. Se correr mal para os lados do Dragão, ainda há mais uma ficha para gastar, na última jornada, frente ao Estoril.

Para já, o FC Porto lidera o campeonato de futebol com 85 pontos, mais seis do que o Sporting, que é segundo e tem 79. Se ambos acabarem o campeonato em igualdade pontual, os leões têm vantagem no confronto direto.

Boavista salvou-se e afundou Moreirense

Ainda este domingo, o Boavista garantiu a permanência na I Liga, ao vencer em casa do Moreirense, por 2-1, num encontro resolvido com um final eletrizante, para desespero dos minhotos. Os axadrezados ascenderam ao 10.º lugar, com 36 pontos, e garantiram a oitava permanência seguida na I Liga, enquanto o Moreirense ocupa provisoriamente a 16.ª e antepenúltima posição, de acesso ao playoff de permanência, com 26 pontos.

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG