Sp. Braga vence V. Setúbal (2-1) e junta-se ao FC Porto

Minhotos saíram para o intervalo a perder mas no segundo tempo deram a volta ao resultado, com golos de Alan e Wilson Eduardo, e somaram três pontos que lhes permite igualar os dragões

O Sporting de Braga venceu este sábado o Vitória de Setúbal por 2-1, na sexta jornada da I Liga de futebol, num jogo em que os sadinos 'perdoaram' na primeira parte e permitiram a reviravolta na segunda.

O Vitória de Setúbal adiantou-se no marcador aos 30 minutos, por André Claro, numa fase em que já podia estar a vencer, tendo a equipa da casa virado o resultado em oito minutos na segunda parte: aos 50 empatou por Alan, de grande penalidade, e aos 58, por Wilson Eduardo, após assistência do veterano 'capitão'.

Aproveitando uma muito pobre exibição do Braga na primeira parte, os sadinos podiam ter 'matado' o jogo nesta fase, mas não foram eficazes, tendo entrado muito 'macios' na segunda e sofrido as consequências do crer bracarense.

A equipa da casa apresentou-se sem nove jogadores, todos lesionados, e José Peseiro teve de ir à equipa B buscar o central Artur Jorge, para fazer dupla com Rosic, e Tiago Sá, para ter um guarda-redes suplente.

O setor defensivo ressentiu-se, tendo passado muitas dificuldades na primeira parte para suster a velocidade do ataque sadino que, contudo, é o responsável por o Vitória de Setúbal não ter ido para o intervalo com um resultado mais dilatado.

Logo aos 16 minutos, Nuno Santos surgiu na cara de Matheus, mas o jovem emprestado pelo Benfica viu o guarda-redes do Sporting de Braga negar-lhe o golo.

Mas o grande falhanço da partida surgiu três minutos depois: excelente contra-ataque sadino, centro de Amaral da direita e André Claro, com a baliza deserta, rematou ao lado.

A exibição do Sporting de Braga era confrangedora, a motivar os tão indesejados assobios das bancadas, merecendo nota apenas um remate perigoso de Wilson Eduardo que ainda foi cortado para canto (20).

A equipa orientada por José Couceiro voltou à carga e, aos 22 minutos, Amaral ficou perto do que seria um grande golo, mas o desvio subtil, após centro de André Geraldes, saiu ligeiramente ao lado.

O golo do Vitória de Setúbal chegou com naturalidade, num lance que surgiu de um erro de Baiano que, de cabeça, cortou contra o colega Rosic e assistiu involuntariamente André Claro que, desta vez, não perdoou e 'fuzilou' Matheus (30).

José Peseiro apostou em Pedro Santos logo após o intervalo (para o lugar de um muito apagado Ricardo Horta) e de um cruzamento que saiu mal ao extremo nasceu uma grande penalidade - imprudência de Nuno Santos a derrubar Wilson Eduardo - que Alan converteu, empatando a partida aos 50 minutos.

Castigo ou não, Nuno Santos saiu logo a seguir, mas era agora a vez da defesa sadina vacilar, como aos 58 minutos, com a bola a chegar ao 'coração' da área a Alan que amorteceu para o 'tiro' de Wilson Eduardo - estava consumada a reviravolta.

O Vitória tentou chegar ao empate e esteve perto disso aos 73 minutos, mas Matheus levou a melhor sobre Amaral e, aos 85, Zé Manuel, em boa posição já dentro da área, rematou para as 'nuvens'.

Com esta vitória, os minhotos juntam-se ao FC Porto na classificação. Ambos os clubes têm 13 pontos, a dois do Sporting e a três do líder Benfica.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.